domingo, 29 de novembro de 2009

O LUCTA SOCIAL ESTÁ DE VOLTA

0 comentários
Luctasocial.blogspot.com é versão eletrônico do Jornal Lucta Social que teve sua primeira edição lançada em 1914 por um tipógrafo anarquista, Tércio Miranda. A segunda fase do Jornal foi em 1924 conforme pesquisa de Luiza Ugarte e Luis Balkar, que em 2004 organizou uma edição Fac-similada da imprensa operária no Amazonas. A terceira fase contou com um time de peso: o escritor Márcio Souza, Aldisio Filgueiras, Nestor Nascimento, Narciso Lobo, Deocleciano Bentes e José Ribamar Bessa Freire.

De acordo com o Editor da pagina eletrônica o Sindicalista Elson Melo a quarta fase do Jornal vai manter a mesma linha editorial usada pelo anarquista Tércio Miranda em 1914 com lema “operário livre, porém o Lucta Social nesta fase vai aborda temas: Amazônicos, Ecossocialismo, política, cultura e comunidade”.

Elson de Melo disse ainda que o Jornal vai manter a mesma grafia usada em sua fundação em 1914 que aparecia um “C” entres as letras “U” E “T” de luta, ou seja, vai continuar sendo escrito Lucta.

Na terceira fase o Jornal esteve presente na Fundação do Partido dos Trabalhadores – PT em São Paulo em 01 de junho de 1980, quando circulou o número II e III do periódico.

O Doutor José Ribamar Bessa em sua coluna Taqui Pra Ti no Jornal Diário do Amazonas no dia 21 de maio de 2006 escreveu que a primeira edição do Jornal Lucta Social está guardado no Instituto Internacional de Historia Social de Amsterdã na Holanda. Ele disse que o instituto tem como objetivo salvar os documentos sobre as lutas sociais de toda a Europa ameaçado de destruição.

De acordo com Ribamar os primeiros cinco anos de existência, o Instituto adquiriu os arquivos de Max e Engels, os manuscritos de Bakunin retirados clandestinamente da Austrália durante a invasão nazista, as bibliotecas e arquivos dos mencheviques que haviam fugido da Rússia e a documentação da Federação Anarquista Ibérica transportada da Espanha pelos Pirineus, pouco antes do golpe fascista do general Franco.

Ribamar disse ainda que na década de 1960- 1970 o Instituto comprou documentação histórica de organizações sociais, partidos e sindicatos de outras regiões, como a América Latina, formando um rico acervo referente ao movimento anarquista e anarco-sindical. Possui uma quantidade expressiva de exemplares de jornais operários brasileiros, contando a história das lutas, das greves, das condições de trabalho, das organizações sindicais.

Ribamar finaliza dizendo que o Jornal Lucta Social está guardado num antigo armazém de cacau na área portuária de Amsterdã, onde estão instalados os arquivos do Instituto.

Assim essa nova forma do LUCTA SOCIAL continua a proclamar a aurora do proletariado, construindo uma nova civilização onde os homens e mulheres sejam livres da opressão, do preconceito, das injustiças onde nossas diferenças sejam apenas as naturais. Viva os Trabalhadores livres! Viva o socialismo!
Alex Mendes
Assessor de Comunicação
LEIA MAIS...

UM TRIBUTO A ANTONIA PRIANTE

0 comentários
Por: Elson de Melo

Quem é essa grande mulher? Além de operária da Fhilipis, empresa que trabalhou por muitos anos, Antônia Priante foi articuladora da Oposição Sindical Metalúrgica PUXIRUM e posteriormente Diretora do Sindicato dos Metalúrgicos, mas, para mim ela era mais que uma companheira de Luta, como eu, ela era natural de Urucurituba, nascida e criada na Comunidade de Santa Cruz e eu em Novo Amazonas, éramos vizinhos das beiradas do Rio Amazonas. Seu Pai o Sr. Carmelo Priante é compadre do meu Pai. Assim nossa amizade se confundia com uma relação familiar de irmãos.

Quando recebi a noticia de sua morte, não consegui me conter, foi acometido de uma emoção só semelhante quando perdi minha Irmã, minha Mãe e meu Avô, Antônia foi vitima de um covarde, que lançando mão de sua violência mutilou até a morte nossa querida camarada, desferindo-lhe sucessivas facadas. Estava ali decretado o fim de uma grande Lutadora Social, cuja trajetória passava pela sua militância na Igreja Católica em Urucurituba na Comunidade de Santa Cruz, no grupo de Jovens de São Jorge, nas Pastorais de Jovens e Operaria em Manaus.

Era uma militante de palavras serenas, sorriso cativante e rechiado de grande ternura, jamais testemunhei nela um momento de mau humor, sua indignação era a mesma que continua a nos inquietar, as injustiças promovidas por esse capitalismo opressor do qual ela foi uma das tantas vitimas!

É camarada Antônia Priante, você está fazendo muita falta, as mulheres do Distrito Industrial que garantem uma das mais altas produtividades para as empresas transnacionais continuam a receber salários de miséria e o que é pior! São as principais vitimas das Lesões por esforços repetitivos – LER, continuam sendo vitimas da violência urbana espancadas e violentadas na sua honra e no seu corpo até a morte!

Descanse em paz querida camarada, rogue por todos nós, para que possamos encontrar forças para continuar sua luta. De modo particular desejo aos seus familiares muita coragem para continuar a caminhada. Esse é mais um tributo em sua homenagem.

Antônia Priante dá o nome, ao abrigo do Governo do Estado para mulheres violentadas.
LEIA MAIS...

A VISITA DO PRESIDENTE LULA A MANAUS

0 comentários

O Presidente Luiz Inácio Lula da Silva cumpriu uma intensa agenda política por ocasião da sua visita a Manaus no último dia 26 de novembro. No aeroporto Eduardo Gomes foi recebido pela cúpula dos governos Estadual e Municipal de Manaus e representantes da oligarquia Amazonense, chefiada pelo empresário Felipe Dau, diferente de outras vezes quando aqui esteve antes de ser Presidente.

Nas décadas de 80 e 90 quando Lula ainda era líder sindical se hospedava na residência do Camarada Aloysio Nogueira e nós militantes que construíamos a duras penas o Partido dos Trabalhadores – PT aqui no Amazonas, tínhamos que nos humilhar para que a imprensa local noticiasse a sua presença.

Antes que alguém venha invocar o meu relato como ofensivo à imprensa local, quero registrar que as redações dos Jornais representadas por valorosos Jornalistas que para não cometer injustiça a nenhum neste momento homenageio a todos, excetuando apenas os que essa própria categoria sabe muito bem diferenciar, da mesma forma procedo em relação aos Radialistas. Esses trabalhadores das comunicações foram naquele momento os principais responsáveis pela cobertura das visitas do então Líder Operário Lula, a eles rendo todas as homenagens.

Faço isso pelo fato de o Presidente quando tem que culpar a imprensa geralmente se refere ao profissional Jornalista e Radialista, no entanto, quando quer homenagear a mesma imprensa o faz aos donos desses meios de comunicação. É imperativo que por negligencia política do Partido dos Trabalhadores aqui no Amazonas que não orienta os principais articuladores do staf Presidencial, aconteça tamanha indiferença a esses profissionais que no passado muito contribuíram para que o Presidente vivesse esse momento de gloria, quando inaugura o Gasoduto Coari/Manaus.

Em relação ao Movimento Sindical Amazonense, prefiro apenas ressaltar a importância que o velho Companheiro Lula, representou na época das grandes lutas que junto com outros camaradas, e eu fui protagonista quando era dirigente do Sindicato dos Metalúrgicos de Manaus. Naquela época Lula nunca médio esforços para atender nossas demandas, quando aqui foi julgado junto com o saudoso Chico Mendes e outros na Auditoria Militar nós tínhamos acabado de assumir a Direção do Sindicato onde esteve quando terminou o julgamento e eles foram absolvidos e juntos comemoramos aquele momento de felicidade.

Foram muitas as passagens de Lula pelo Sindicato o que justifica seu empenho na prorrogação da Zona Franca de Manaus, porém quero destacar duas, a que ele veio dar posse a minha Diretoria e a de quando fizemos um movimento contra as demissões no Distrito Industrial de Manaus, naquele dia paramos por meio dia todo as atividades dentro do Parque Industrial tendo o então Superintendente da Suframa caminhando a pé da Bola da Suframa até a sede da autarquia. À noite realizamos um grande ato na Praça da Saudade local que marcou suas vindas nesta cidade. A última oportunidade, que estivemos junto foi por ocasião da Caravana das Águas quando eu e o camarada Luiz Carlos Perrone colocamos um barco para acompanhar aquela caminhada até Parintins e levar a imprensa local, nacional e internacional. Embora estando em campo oposto hoje, fico na torcida para que o velho amigo melhore substancialmente a qualidade de vida dos brasileiros.

Sem muito aprofundamento faço um relato das minhas impressões dos dois mandatos do Presidente Lula, entendo que o campo político popular está perdendo um grande momento de aprofundar as transformações que o País precisa, a opção do PT em priorizar apenas a Governabilidade e as mudanças democráticas possíveis obrigou o seu governo a ficar refém de uma oligarquia autoritária e perversa representado por Sarney, Collor, Renan, Jader barbalho, Romero Jucá e pasme até Amazonino Mendes, dentre tantos que os cercam hoje!

Com essa composição de seu governo, o jeito petista de governar foi transformado no jeitinho brasileiro de agradar a burguesia e enrolar o proletariado! A grande marca que em campanha era decantada em coros e versos de ao invés de dar o peixe ensinar a pescar, foi transformado em programas compensatório uma espécie de renda mínima, o combate à fome foi transformado em programa eleitoreiro, principalmente quando os gestores fazem parte dessa oligarquia que historicamente se mantiveram no poder com muito menos do que isso. Assim seu governo tem sido uma espécie de Novo Populismo Liberal.

Agora o Presidente quer emplacar sua candidata! Dizem que o cartão de visita de qualquer pessoa é a aparência, embora discordando dessa máxima, acho a candidata muita dissimulada, se olharmos bem, parece mais falsa que nota de R$ 15,00 (quinze reais), portanto, sua diferença com o Presidente vai além do sexo, como eles gostam de comparação então vejam: o Presidente é simpático, ela faz esforço para ser! O Presidente tem uma Liderança histórica, ela nuca liderou nada, sua historia de guerrilheira só confirma o quanto foi e continua sendo equivocada quando ressalta isso! O Presidente tem carisma, ela tem indiferença! O Presidente tem sensibilidade social, ela tem racionalidade sócia! O Presidente tem Autonomia política, ela é totalmente dependente política, pois pessoalmente responde pelo nome de Dilma e institucionalmente responde pelo nome de José Dirceu, ou seja, é o satélite do pai do Mensalão! O presidente é popular, ela nunca vai ser popular, pois ela se julga pertencente a uma elite intelectual que para tanto inventa currículo! E por ai vai!...

Elson de Melo
Presidente do PSOL Manaus
LEIA MAIS...

A OCUPÇÃO CRIMINOSA DA COLÔNIA ANTONIO ALEIXO

0 comentários
Por: Elson de Melo
No final da década de setenta eu um jovem Católico freqüentava a Colônia Antonio Aleixo para praticar caridade, achava que esse gesto era suficiente para alcançar a salvação no reino do céu, durante essas peregrinações, levávamos um pouco de conforto espiritual para os pacientes que habitava a Colônia ao mesmo tempo ouvíamos relatos da sua vida pessoal de como contraíram a hanseníase e do sistema de confinamento rígido que eram submetidos pelas Freiras que Administravam a Colônia.

Foi nesse período que a então primeira Dama do Estado Amini Lindoso patrocinou a instalação das Serrarias na comunidade 11 de Maio, como está acontecendo hoje com o Porto das Lages também houve resistência, dentro do principio da solidariedade eu e meus companheiros nos integram na luta para que não fosse ali instalado aquele tipo de industria, lembro com saudade da bela paisagem do lago, a água pura onde tomávamos banho, os pescadores pescando no lago, o passeio de canoa, hoje, tudo isso é só lembrança, como prevíamos, tudo ficou poluído! A população tinha razão.

No último dia (23/10/2009) novamente em solidariedade participei de uma passeata em defesa do emprego de 500 (quinhentos) pais de família que ameaçados de perder os empregos, vitimados pela interdição das Serrarias patrocinada pelo IPAAM/IBAMA e executado pela Policia Federal, na passeata além de encontrar velhos amigos como Bravo Presidente do PC do B, constatei o quanto à população do Bairro é dependente das empresas em questão, mas, o que me chamou mais atenção foi à rejeição que da empresa Sovel (fabrica de papel e papelão) acusada por comunitários de ser a maior poluidora do Lago por direcionar seu sistema de esgoto composto de produtos químicos usados na fabricação de papel, para dentro do Lago.

A principio, as informações colhidas através da imprensa davam conta que se tratava de uso de madeira ilegal os motivos para a interdição e prisão dos donos de Serrarias, porém, constatamos que o verdadeiro motivo foi o acumulo de resíduos de madeira no pátio e no lago, sobre esse fato, é preciso analisar a luz das políticas publicas do poder executivo Municipal, Estadual e Federal quanto o destino dos resíduos sólidos e principalmente os químicos direcionados para os igarapés, lagos e rios que cortam a cidade, de todas as empresas aqui instaladas principalmente as do Distrito Industrial, onde constatamos de imediato que nenhuma dessas instancias possuem u programa de Gerenciamento dos resíduos (lixo) sólidos de qualquer espécie para a Cidade. Nesse particular a eficiente Força Tarefa composta pelo Ministério Publico, IPAAM, IBAMA, POLICIA FEDERAL devem uma explicação. Porque até o presente momento ainda sequer recomendaram essa medida ou outras aos poderes executivos mencionados?

Não tenho a pretensão de fazer um juízo de valor, porém, ouve um tratamento diferenciado as empresas que em tese cometem as mesmas infrações, ou seja, poluem o Lago! Enquanto os donos de Serrarias eram conduzidos algemados sobre os holofotes da Imprensa até a Penitenciaria, os donos da Sovel eram agraciados com uma notificação dando um prazo de 180 dias para se adequarem à legislação. Mas não é apenas isso, o Governo do Estado, é detentor na Estrada do Aleixo de um lixão que serve para depositar os resíduos oriundos do Prosamim, constrói um o conjunto habitacional Presidente Lula onde todos os resíduos estão direcionados para a nascente do lago do Aleixo, a fabrica de Cimento polui há trinta anos o solo, os Igarapés e o ar naquela região e os fiscais sequer notificam, por fim o IPAAM concede licença para o Complexo Portuário das Lages sem considerar os impactos que na década de setenta denunciávamos quando da implantação do pólo madeireiro naquela região, e hoje com as ações implementadas, eles mesmos reconhecem ser prejudicial ao ambiente daquela região por passando por cima de toda a fisiologia da cidade, ignorando a área de Preservação do Parque Sauim Castanheira, o parque arqueológico e a opinião dos comunitários. Assim, estamos diante de uma seqüência de fatores no mínimo estranha!

Assim alertamos aos comunitários que não se deixem iludir com o festival de promessas que a empresa articuladora do complexo vem fazendo através da mídia e das constantes tentativas de persuasão da comunidade. Vamos manter a vigilacia.
LEIA MAIS...

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

MANIFESTO CABOCLO

0 comentários

Por: Elson de Melo
Curumim ainda, sentado no último banco da canoa, eu divisava a batida precisa do remo, cortando a água e empurrando o casquinho, sob o comando do mestre proeiro que era meu pai, um caboclo forte e sábio no rumo do lago. A gente ia buscar o pão de cada dia amazônico, isto é o peixe, sustento daqueles que moram nas cidades do interior e nos beiradões da nossa terra, o Amazonas.

Aprendi com o meu velho que, para ter sucesso na pescaria, era preciso conhecer os caminhos e os segredos do rio: o espumeiro; a queda do catauari fruto que alimenta o tambaqui; o horário certo, pois o peixe costuma comer na hora certa, coisa que os humanos desprezam, daí a maleita de doenças que acometem o civilizado.

Assim fui crescendo, aprendendo com o rio e com os mais velhos, a comandar a travessia da minha vida, a saber, preservar os lagos, rios, Paranás, igarapés, grotas, restingas e igapós.

Virei a esquerda das ideologias políticas, sofri o martírio do guerreiro sindicalista, sempre lutando pelo bem comum dos sindicalizados, oprimido pela direita alienada, e pela oposição inculta, que desconhecia no meu tempo e ainda até hoje as conquistas sistêmicas e fraternas do marxismo criador de Antônio Gramsci e Karel Kosic, daí a queda do comunismo, resultado dialético de uma esquerda dogmática e sem horizonte histórico. A cortina soviética caiu, ressuscitando o cadáver do capitalismo perverso e disseminador de miséria nos quatro cantos do planeta, e que atualmente volta a chicotear as maiorias sociais em privilégio de uma elite milenares tirana, que detém a riqueza que o próprio povo assalariado produz.

Nessa dimensão de lutas e vivências sociais e sindicais, fui presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do Amazonas e da CUT, e, aprendi com Guevara, a lutar contra os patrões, sem perder a ternura da experiência socialista inovadora e evoluída.

Desci o rio Amazonas, ao lado e na caravana das Águas com Lula, um companheiro que parece ter aprendido apenas a primeira lição do líder operário – tornar realidade pelo menos o privilégio mínimo do povo não perder a esperança, porém, insuficientes para nós trabalhadores!

Por isso abraço o Ecossocialismo, que é universal, mas fala de perto com a vida amazônica, conectando o homem com a natureza, entrelaçados pela mesma temática resistente: a Preservação da floresta, do planeta, e da raça humana. Prenuncio de uma nova civilização.

Conto com vocês queridos(as) camaradas, remem comigo nas águas dessa travessia amazônica, nossa parceria vai dar certo, pois nós juntos, somos como a majestosa sumaumeira que se firma exuberante nas suas sapopemas largas como leme de navio e ergue acima da vegetação sua verdejante coroa, deixando que o vento transporte suas semente dentro do capulho de paina, para disseminar sua espécie por todos os vales e restingas da Amazônia. E, este Manifesto é a primeira semente de combate as injustiças, sopradas pelo povo do Amazonas e pelo vento da liberdade, nas mentes e corações, das atuais e futuras gerações do mundo.
LEIA MAIS...

PUXIRUM SOCIAL

0 comentários

Eu sou Elson de Melo Presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Industrias de Olaria, militante político, atual Presidente do PSOL Manaus, lutador social e essa é a Coluna Puxirum Social, um espaço aberto para os que até o momento não tinham oportunidade de expressar suas idéias, seus sentimentos, sonhos, sua visão de mundo, indignações, esperanças e utopias. Aqui é o lugar para postar a sua historia de Luta. Assim estão convocados os Operários, Lideres Sindicais, Professores, Intelectuais, Lideres Comunitários, Pesquisadores Sociais, Lideranças Religiosas, Comunitários, Homens e Mulheres de qualquer etnia e todos os que queiram comentar, dá opinião ou relatar sua participação em qualquer movimento. Vamos nos encontrar aqui todas as Segundas – Feiras com histórias e fatos reais de quem viveu e liderou esse grande movimento operário na década de 80.

Capitulo I
PUXIRUM SOCIAL
No final da década de 70 e inicio da década de 80, o Amazonas acompanha as ondas de transformação política no País, a população participa de muitos momentos de tenção que marcaram a nossa história, os Professores promovem movimento paredistas e inovam na tática de reivindicação conduzindo uma paralisação didática que consistia em comparecerem a sala de aula e não para ministrar aula, mas, para esclarecer aos Estudantes os motivos de suas reivindicações e promover a discussão sobre a realidade da educação no País e no Amazonas.

Motivados pelos mesmos sentimentos os Estudantes promoveram a luta pela meia passagem nos ônibus, a tática usada foi à organização de grandes atos públicos, sendo o mais marcante o que culminou com a invasão da igreja de São Sebastião pela Policia e a prisão de muitos manifestantes.

Na esteira das transformações os Operários buscaram sua organização, os Metalúrgicos a principal categoria do Distrito Industrial articulam a retomada da Direção do Sindicato, para tanto, criam a Oposição Sindical Metalúrgica PUXIRUM que em 1983 reconquistam a Direção do Sindicato. Em 1985 a categoria Metalúrgica organiza a primeira grande CAMPANHA SALARIAL e em 1º de Agosto em uma grande assembléia no campo do Oratório na Igreja de São José Operário, decidem deflagrar a Primeira GREVE GERAL da história do Distrito Industrial de Manaus, em 1986 quando da edição do PLANO CRUZADO do Ex-Presidente José Sarney os trabalhadores da empresa Moto Honda não aceitaram a conversão dos Salários pela média, paralisaram suas atividades. A justiça julgou inconstitucional a medida e considerou a greve legitima, saindo daqui a primeira GREVE LEGAL no Brasil após o GOLPE MILITAR de 1964, em agosto do mesmo ano a categoria deflagrou a segunda GREVE GERAL, os empresários recorreram e a Justiça mandou para a Greve.

Os Operários reunidos em uma das maiores Assembléia da história na Bola da Suframa decidiram continuar a Greve e, os empresários numa atitude covarde demitiram mais de três mil Trabalhadores por justa causa, num só dia...

Foi um massacre! Faço aqui uma pausa nesse relato para em nome dessa LUTA, conclamar todos os bravos camaradas que ainda permeassem fieis aos nossos sonhos, venham interagir nesse espaço mandando sua colaboração para o nosso endereço: elsonpmelo@gmail.com. Quero dessa forma reconstituir nossa historia através da narrativa de cada um dos que participaram dos grandes movimentos que relatamos acima, não deixe de registrar sua impressão daquele momento.
LEIA MAIS...

TEORIA DA POLARIZAÇÃO POLÍTICA NO AMAZONAS

1 comentários

A primeira eleição direta para Governador do Estado do Amazonas após o golpe militar de 1964 ocorreu no ano de 1982, à população elegeu Gilberto Mestrinho pela segunda vez para o mais importante cargo do Estado. Uma vez no poder ele declarou: “vamos ficar durante vinte anos governando o Amazonas!”. Até o ano de dois mil e dois, ouve um revezamento entre Gilberto e Amazonino ano em que o mesmo Elegeu Eduardo Braga como seu sucessor, cumprindo assim a profecia maldita de Gilberto que a depender dos resultados das eleições de dois mil e dez, completa, vinte e oito anos, de dinastia da “maldição da rodela”.

Da mesma forma, a capital do Estado, Manaus, que teve o seu primeiro prefeito eleito após o golpe militar somente em mil novecentos e oitenta e cinco, segue o mesmo roteiro. A população vem escolhendo sempre dentre as pessoas pertencentes ao grupo que chegou ao poder em mil novecentos e oitenta e dois, a única exceção é Serafim Corrêa que é originalmente da antiga Arena – PDS, mas, foi incluído na disputa eleitoral pelo atual Senador Artur Neto que em 1986, se “desligou” do grupo de Gilberto Mestrinho, para retornará em 1990 ao covil da rodela.

Durante os últimos vinte e seis anos o Amazonas elegeu para governador apenas três pessoas. Gilberto em 1982 e 1990, Amazonino em 1986, 1994 e 1998, Eduardo Braga em 2002 e 2006. Em Manaus a sucessão também não foge muita a profecia. Nos últimos vinte e três anos a população fez a seguinte escolha: Manoel Henrique Ribeiro em 1985, Artur Neto em 1988, Amazonino Mendes em 1992 e 2008, Alfredo Nascimento em 1996 e 2000 e Serafim em 2004.

A hegemonia desse grupo se dá principalmente pela forma como eles conseguem envolver a sociedade em uma polarização entre eles. Fazem parecer que existe em determinados períodos uma ruptura irreconciliável de membros do grupo, fingem um antagonismo insuperável que permite sua rearticulação sempre que existe uma possibilidade real de perderem a supremacia sobre o controle da maquina estatal amazonense. Essa constatação é visível quando verificamos que apenas três pessoas se revezam no governo do Estado, no período de 28 (vinte e oito) anos.

Por outro lado, desenvolvem uma política de cooptação de potenciais lideranças e partidos que venham a comprometer essa hegemonia, foi assim com Fabio Lucena, Josué Filho, Artur Neto, Mario Frota, Beth Aziz, Nonato Oliveira, Jéferson Peres e mais recente Eron, Vanessa, Sinésio, PC do B, PT e o próprio Serafim com o seu PSB. Na esteira dos cooptados não faltam, lideranças sindicais e de movimentos populares. As únicas potenciais lideranças que não atenderam publicamente a essa cooptação, foram inviabilizados pelo isolamento político, fechando todos os espaços nos partidos políticos tradicionais e na mídia para que eles não prosperem é o caso de: Evandro Carreira e Aloysio Nogueira.

Com a dedicação de sua vitória para Prefeito no ultimo dia 26 de outubro a Gilberto Mestrinho, Amazonino Mendes completa um ciclo comandado pelo velho caudilho e, assume a sucessão definitiva no comando do grupo. Até o presente momento a profecia da maldição da rodela de Gilberto Mestrinho vem se concretizando, a marca populista, demagoga e autoritária está presente em todos os Partidos do Amazonas, a única exceção é o PSOL, PSTU e PCB.

A OPOSIÇÃO NO AMAZONAS

No período de 1982 até os dias de hoje a oposição no Amazonas, não consegue se firmar como uma alternativa de poder local. Enquanto os Estados vizinhos como Acre, Rondônia, Pará e Amapá, a oposição consegue derrotar suas oligarquias. Aqui no Amazonas o Maximo que tem chegado é eleger uma quantidade irrisória de parlamentares para a Câmara Municipal, Assembléia Legislativa e Câmara Federal. Esse é o reflexo das estratégias equivocadas dos partidos ditos de esquerda.

Em 1982 o inimigo a ser derrotado era a ditadura militar, os Partidos Comunistas PCB – hoje PPS –, PC do B, estavam na clandestinidade, optaram por Gilberto Mestrinho como o candidato capaz de derrotar Josué Filho candidato da ditadura, ficando como alternativa de esquerda o PT, em 1985 mantiveram a estratégia de apoiar Manoel Ribeiro para derrotar Amini Lindoso candidata à Prefeita da ditadura, permanecendo o PT como alternativa de esquerda, na eleição de 1986 com o surgimento de novos partidos no Amazonas Artur “rompe” com o grupo e se lança candidato ao Governo pelo PSB contra Amazonino Mendes e, o PT continua como alternativa de esquerda. Na verdade a maldição da rodela – eternizada por Evandro Carreira, começa em 1958, quando Gilberto Mestrinho é eleito Governador com apoio total do seu pai político Plínio Coelho Governador da época, que o tivera nomeado Prefeito de Manaus em 1956.

Com a demonização do grupo de Gilberto e Amazonino, a oposição no Amazonas vem alternando apoio a candidatos que momentaneamente fingem romper com as principais lideranças do projeto vinte anos da dinastia da rodela, essa polarização impossibilitou a formação de lideranças autentica de oposição, impede a formatação de um projeto alternativo para o Amazonas e leva a população escolher sempre entre o inferno e o purgatório. Nunca ninguém convidou a população para conhecer o paraíso!

O PT que simbolizava a resistência da esquerda, não foi capaz de se firmar como uma alternativa real de poder local. Em 1982, vislumbrou através de Marcio Souza o mestre da ecologia amazônica Evandro Carreira lançando-o candidato a Governador do Estado, na época ele era Senador pelo MDB e candidato nato à reeleição para o Senado pela fusão em fevereiro de 1982 do MDB com o PP, que resultou no atual PMDB. Por fazer historicamente oposição política a Gilberto Mestrinho, Evandro Carreira preferiu o desfio de concorrer ao governo pelo recém-criado PT que, meses antes da eleição o substituiu pelo Professor Osvaldo Coelho, tendo o mesmo, concorrido à reeleição para o Senado. Esse relato não tem a pretensão de fazer juízo de valor sobre o episódio, porem, é um parâmetro para refletirmos sobre os caminhos que o PT tomou posteriormente, caminhos que o inviabilizaram de se constituir como catalisador de um projeto de poder no Amazonas.

Foi em 1990 que o PT começou sua trajetória de alianças com remanescentes do grupo de Gilberto Mestrinho. Mas, foi nos últimos anos que PT não resistiu aos flertes desse grupo e é hoje parte integrante da “maldição da rodela”. Na ultima eleição esse Partido em Manaus, se dividiu entre três candidaturas no 1º turno: Praciano, Serafim e Omar. Atualmente no Amazonas não existe oposição, nem no parlamento e muito menos na sociedade civil organizada. Todos os potenciais lideranças estão engessados, ou por não acreditarem no seu potencial, mas, principalmente por não acreditarem no poder de reação das massas e na sua organização. É hora de refletirmos sobre os caminhos que a esquerda socialista pretende percorrer nos próximos pleitos eleitorais.

Elson de Melo
Presidente do PSOL/MANAUS
LEIA MAIS...

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

CONCILIAÇÃO COM ELA TODO MUNDO GANHA

0 comentários

Semana da Conciliação. Coincidência ou não, mas o Tribunal de Justiça do Amazonas lançou as vésperas do julgamento de Amazonino Mendes (PTB), prefeito de Manaus, a campanha nacional de 2009, proclamando a seguinte palavra de ordem - "Conciliação. Com ela todo mundo ganha. Ganha o cidadão. Ganha a Justiça. Ganha o País”.

A porta estandarte da campanha é a desembargadora Socorro Guedes de Moura, que apresentou as peças publicitárias ao presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Domingos Chalub. Na cerimonia realizada no gabinete da presidência do Tribunal, a coordenadora da Semana comunicou que está trabalhando na programação que deverá ser publicada nos próximos dias. “A nossa idéia é mandar confeccionar camizetas (sic), adesivos e baners com o material enviado pelo CNJ”, disse Socorro Guedes.

Para comprovação do ato, consulte: http://www.tjam.jus.br/

LEIA MAIS...

A FUMAÇA DENUNCIA

1 comentários

Opinião Lucta Social - A fumaça da manhã de hoje inviabilizou até a travessia das balsas de Manaus - Cacau-Pireira, denuncia os Ecologistas Cameleões representado pelo Prefeito de Manaus Amazonino Mendes e o Governador do Amazonas Eduardo Braga do descaso com que eles tratam na pratica a questão ecológica na Região. Como pode se vê a própria natureza hoje fez seu apelo aos governantes da Amazônia internacional clamando por soluções objetivas que vão além das simples metas que eles irão propor para conter o aquecimento global, desmatamento ou suas peças publicitarias.

O que a floresta Amazônica quer, é ser respeitada em todo seu ecossistema.

No Amazonas temos um governador que muda de pele, assim como muda de discurso, ele é ecologista, porém é fazendeiro.
LEIA MAIS...