domingo, 25 de abril de 2010

Dilma e o Paulinho

1 comentários

Dilma foi a uma escola conversar com as criancinhas, acompanhada de
uma comitiva.

Depois de apresentar todas as maravilhosas propostas para seu governo (se eleita), disse às criancinhas que iria responder perguntas.

Uma das crianças levantou a mão e Dilma perguntou:

- Qual é o seu nome, meu filho?

- Paulinho.

- E qual é a sua pergunta?

- Eu tenho três perguntas.

A primeira é "Onde estão os milhões de empregos prometidos na campanha presidencial passada?"

A segunda é "Quem matou o Prefeito Celso Daniel?"

E a terceira é "A senhora sabia dos escândalos do mensalão ou não?".

Dilma fica desnorteada, mas neste momento a campainha para o recreiotoca e ela aproveita e diz

que continuará a responder depois do recreio.

Após o recreio, Dilma diz:

-OK, onde estávamos? Acho que eu ia responder perguntas. Quem tem perguntas?

Um outro garotinho levanta a mão e Dilma aponta para ele.

-Pode perguntar, meu filho.

-Como é seu nome?

-Joãozinho, e tenho cinco perguntas:

A primeira é "Onde estão os milhões de empregos prometidos na campanhapresidencial
passada?"
A segunda é "Quem matou o Prefeito Celso Daniel?"

A terceira é "A senhora sabia dos escândalos do mensalão ou não?"

A quarta é "Porque o sino do recreio tocou meia hora mais cedo?".
A quinta é "Cadê o Paulinho??”

1 comentários:

Guilherme Scalzilli disse...

O Mensalão do PSDB

A imprensa colou mensalões em todos os partidos, menos no PSDB. Por que inventar uma expressão como “Valerioduto” para a sigla? Porque é bem menos caricata, popular e marcante, desprovida do mesmo sentido de periodicidade. Emana perfume “técnico”, aproveita um nome já identificado com o PT e personaliza as responsabilidades.
O mais curioso disso tudo é que, originalmente, os esquemas criados por Marcos Valério de Souza não apresentavam diferenças quando envolviam campanhas petistas ou tucanas. Era mais ou menos a mesma fraude contábil, os mesmos personagens, as mesmas empresas.
A SMPB, agência de Valério, desfrutou bons momentos comandando a conta publicitária da Assembléia Legislativa de Minas Gerais, dominada pelo tucanato. Dois deputados federais, cinco deputados estaduais e três prefeitos do PSDB, além de seis integrantes do governo Aécio Neves (ohh!) apareceram na relação de supostos beneficiários dos cofres de Valério na campanha eleitoral de 1998.
Diversos suspeitos de intermediar as artimanhas do “mensalão do PT” participaram da campanha de reeleição de Eduardo Azeredo e depois trabalharam para Valério. Por falar em Azeredo, o caixa dois utilizado por seus homens de confiança passou tanto pelos cofres de Valério quanto pelos de Duda Mendonça, o elo petista preferido pelo noticiário.
Até a campanha de FHC recebeu doações da SMPB. Outros recursos não contabilizados, de maior vulto, geraram pedidos de investigação na época, mas o então engavet, digo, procurador-geral da República, Geraldo Brindeiro, não lhes deu prosseguimento.

Postar um comentário