terça-feira, 23 de novembro de 2010

Meirelles não continuará à frente do BC

0 comentários
A presidente eleita Dilma Rousseff decidiu não manter Henrique Meirelles no comando do Banco Central, disse na segunda-feira uma fonte próxima ao futuro governo.

"Ele não vai continuar, já foi decidido", disse a fonte à Reuters.

As especulações em torno da permanência ou não de Meirelles como presidente do BC aumentaram depois que Guido Mantega foi convidado, e aceitou, continuar à frente do Ministério da Fazenda, segundo uma fonte disse à Reuters na última quinta-feira

Participantes do mercado defendiam a permanência de Meirelles no cargo como contraponto ao ministro da Fazenda e a uma política fiscal menos rigorosa. A fonte disse que ainda não foi definido o substituto e a assessoria do BC afirmou que o banco "não comenta" reportagens com fontes anônimas.

A saída de Meirelles poderia abrir espaço para uma política monetária mais frouxa, que permitiria a queda da taxa de juros, entre as mais altas do mundo.

Um dia após as notícias sobre Mantega, jornais publicaram que Meirelles não continuaria no cargo a menos que Dilma pudesse garantir a autonomia do BC.

Na própria sexta-feira, Meirelles procurou abafar eventuais ruídos de comunicação. Em entrevista à TV Reuters Insider, ele afirmou que "não há condições impostas".

Ele acrescentou ainda que "a presidente eleita Dilma expressou total apoio à autonomia do Banco Central durante a campanha eleitoral".

Mas no fim de semana e nesta segunda-feira, notícias publicadas na imprensa mostravam que Dilma teria se irritado com as supostas condições apresentadas por Meirelles para permanecer no cargo.

Segundo a fonte que conversou com a Reuters nesta tarde, a questão da autonomia do BC está fora de discussão, acrescentando ainda que o governo Dilma será "responsável" na política monetária.

Na chefia do BC desde janeiro de 2003, Meirelles foi o presidente que mais tempo ficou no cargo. Com atuação no combate à inflação sempre elogiada, seu papel ganhou ainda mais destaque na coordenação, junto com Mantega, do combate aos efeitos da crise financeira global.

Entre os nomes mais cotados para assumir a presidência do BC está o do diretor de Normas do banco, Alexandre Tombini.

0 comentários:

Postar um comentário