sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Tiririca consegue ler e escrever em teste de alfabetização

0 comentários
O deputado federal eleito Francisco Everardo Oliveira Silva (PR-SP), o palhaço Tiririca, conseguiu ler e escrever no teste de alfabetização feito nesta quinta-feira pela Justiça Eleitoral.

Segundo o presidente do TRE (Tribunal Regional Eleitoral) de São Paulo, Walter de Almeida Guilherme, o deputado eleito fez um ditado tirado de um livro editado pelo tribunal: "Justiça Eleitoral, uma retrospectiva".

Ele teve que escrever: "A promulgação do Código Eleitoral, em fevereiro de 1932, trazendo como grandes novidades a criação da Justiça Eleitoral".

Tiririca também foi obrigado a ler uma notícia de jornal e teve de fazer uma interpretação do que leu e escreveu.

O deputado eleito se recusou a fazer uma perícia do documento que apresentou ao registrar a candidatura para provar que era alfabetizado. Guilherme lembrou que ninguém é obrigado a produzir uma prova contra si mesmo.

De acordo com o presidente do tribunal, o comediante será diplomado, qualquer que seja o resultado.

Recordista de votos nestas eleições, Tiririca chegou para a prova por volta das 9h ao lado do advogado e não falou com a imprensa.

Ele saiu para almoçar pouco depois das 12h e voltou cerca de duas horas depois. O sigilo do processo foi derrubado.

Tiririca foi acusado pelo Ministério Público de entregar à Justiça Eleitoral declarações falsas sobre sua alfabetização e seus bens.

A denúncia levou à abertura de uma ação penal sob a acusação da prática de falsidade ideológica contra o humorista, eleito no último dia 3, com 1,3 milhão de votos --o recorde deste ano para as vagas da Câmara dos Deputados.

A perícia levantou a suspeita de que a declaração de alfabetização não foi redigida pelo humorista.

O deputado eleito se recusou a fazer uma perícia do documento que apresentou ao registrar a candidatura para provar que era alfabetizado. Guilherme lembrou que ninguém é obrigado a produzir uma prova contra si mesmo.

De acordo com o presidente do tribunal, o comediante será diplomado, qualquer que seja o resultado.

Recordista de votos nestas eleições, Tiririca chegou para a prova por volta das 9h ao lado do advogado e não falou com a imprensa.

Ele saiu para almoçar pouco depois das 12h e voltou cerca de duas horas depois. O sigilo do processo foi derrubado.

Tiririca foi acusado pelo Ministério Público de entregar à Justiça Eleitoral declarações falsas sobre sua alfabetização e seus bens.

denúncia levou à abertura de uma ação penal sob a acusação da prática de falsidade ideológica contra o humorista, eleito no último dia 3, com 1,3 milhão de votos --o recorde deste ano para as vagas da Câmara dos Deputados.

A perícia levantou a suspeita de que a declaração de alfabetização não foi redigida pelo humorista.

ALINE PELLEGRINI DE SÃO PAULO

0 comentários:

Postar um comentário