sábado, 25 de dezembro de 2010

O aumento salarial dos parlamentares maquiavélicos

1 comentários

A votação em tempo Recorde no final de ano letivo, em meio a confraternizações, natal e festividades de réveillon, demonstrou que Maquiavel estava no bolso e nas mentes da maioria de nossos parlamentares: Encontraram um momento propício para legislar os maiores absurdos, em beneficio próprio. Realmente, parafraseando os tuiteiros, temos o pior congresso da história.

O aumento salarial dos parlamentares federais de 61,8%, enquanto o salário mínimo nos últimos quatro anos aumentou em média 10%, demonstrou cinismo e desrespeito com a maioria dos brasileiros.

O efeito cascata está acontecendo nas assembléias legislativas, uma vez que a constituição prevê o pagamento de até 75% dos vencimentos dos salários dos parlamentares federais aos deputados estaduais. Tem mais, prevê ainda entre 20 e 75% dos salários dos parlamentares estaduais aos vereadores. Para isso, recorrem à constituição. Mas para honrarem os direitos da maioria explorada dos trabalhadores, um “jeitinho”.

Esse balanço vai ter que bater e, neste caso, a matemática é simples: Vão cortar gastos em várias áreas, que beneficiam o coletivo, como educação, saúde e habitação ou aumentarão impostos.

O custo mensal de um parlamentar federal varia entre 250 e 300 salários mínimos. Um guerreiro que sobrevive com um salário mínimo mensal, teria que trabalhar 25 anos para alcançar um mês de salário do parlamentar federal. Pensaram nisso, deputados e senadores?

O segundo turno da ultima eleição presidencial foi troca de insultos e pouca demonstração de maturidade política e respeito ao direcionamento ideológico do manifesto de seus partidos. Salvo os candidatos Plínio de Arruda, que foi uma grata surpresa para muitos e de Marina Silva, que trabalhou a lógica da educação e respeito ao meio ambiente com muita propriedade. Após eleições, a união e o corporativismo imperaram no congresso: Vergonhoso!

Coincidência ou não, na última sexta-feira dia 17/12, caíram 30 milhões de reais na conta da UNE – União Nacional dos Estudantes, por conta de uma indenização de processos contra o governo de 1964. Faltou aquela bandeira na manifestação de sábado, dia 18/12.

Sábado foram poucos guerreiros. Mas levando em consideração o improviso, urgência, pouco espaço na mídia local e a representatividade de professores, contadores, administradores, jornalistas e estudantes, o nosso sentimento é de que ainda temos uma forte chama, herdada por nossos pais que lutaram contra a ditadura neste país há poucas décadas: Resistir sempre e sucumbir jamais!

Saudações,

Dário Nascimento
Militante ecossocialista, Contador e especialista em Metodologia do Ensino Superior

1 comentários:

Anônimo disse...

SALARIO DE 545,OO PARA O POVO E MAIS DE 20.OOO,OO PARA DEPUTADOS E SENADORES. É INJUSTO OU NÃO É?

Postar um comentário