segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Carta aberta ao meu Javali preferido

0 comentários

Escrevo está crônica da biblioteca da minha casa com os pensamentos voltados para meu Javali preferido. Caros leitores, o que foi que nos aconteceu? Será que ficamos burros? Estamos diante de um governo que desmantelou as instituições, que desmoralizou que é fato. Estamos diante de acontecimentos inexplicáveis. Toda a verdade já veio a público. Todos os crimes estão prestes a serem provados. Todas as mentiras já foram desmascaradas. Tudo já aconteceu em nosso Município. A verdade está em nossa frente.


Claro que sempre houve corrupção no sistema política em Juruti, porém com a vitória do Prefeito Henrique Costa os companheiros instituirão a corrupção dentro das instituições pública. O próprio Prefeito já veio a público dizer que houve desvio de dinheiro na Secretária de Educação. Nunca na história política do nosso município a verdade foi tão exposta à nossa frente, no entanto, a população continua acreditando nos lacaios, nos arrombadores de cofre que continuam administrando nossa cidade.


Os fatos reais estão na nossa frente: com a eleição de Henrique Costa, uma quadrilha instituída se enfiou no governo e desviou milhões de dinheiro público para torrar em mansões, iates, carros de luxos e festas regradas a vinho escocês. Os corruptos são todos conhecidos, os cheques assinados, as provas irrefutáveis, mas o governo psicopata de Henrique Costa nega tudo. Questionado sobre os desmandos com o dinheiro público os companheiros fogem do debate. Eles são sempre inocentes ou vítimas. Nobre amigo leitor, quem te compra, também de vende.


O pior é que o Henrique Costa, amparado por Ana Julia e o mensaleiro do Paulo Rocha, consegue transformar a Razão em vilã, as provas contra ele em acusações falsas, sua condição de cúmplice e comandante em vítima. E a população engole tudo paciente.


Como é possível isso meus amigos? Vou explicar passo a passo como isso funciona. É Simples: o Judiciário entoca todos os crimes na fortaleza da lentidão e da impunidade. Os delitos são esquecidos, empacotados, prescrevem. Os Jornalistas e formadores de opinião sentem-se inúteis, pois a indignação ficou supérflua. O que dizemos não se escreve tudo quebra diante do poder da corrupção desse governo. Sei que esta vai ser mais uma crônica inútil, mas como formador de opinião tenho o dever de escrevê-la.


Deprimo-me em escrever essas crônicas, porque esses lacaios têm família que não merecem ser expostos pelos desvios de conduta deles. Porém não tem outro jeito à verdade tem que ser dita, doe a quem doer. Assim vamos vivendo por sorte do caso há mais de sete anos sem governo algum, apenas vogando ao vento da bonança financeira da ALCOO.


Alex Mendes – Editor do Jornal Lucta Social

0 comentários:

Postar um comentário