terça-feira, 15 de março de 2011

Copa 2014: Arena da Amazônia e futebol amazonense sob suspeita

0 comentários

Elson de Melo

A imprensa Nacional dedica hoje 15/03/2011, cadernos inteiros com reportagem incluindo o estádio Arena da Amazônia como um dos “elefantes brancos” que estão sendo construído para receber jogos da Copa 2014 no Brasil. Os motivos são óbvios, a falta de torcedores para assistir eventos esportivos no Amazonas. Além disso, pesa sobre essa obra faraônica denuncias de superfaturamento constatado pelo Tribunal de Contas da União – TCU e Ministério Publicp Federal - MPF.

Vamos avaliar sem paixão de amazonense, que certamente o Governo do Estado vai invocar para acusar os responsáveis pela reportagem de serem inimigos do Estado. Num raciocínio racional, infelizmente eles estão cobertos de razão. É verdade que o futebol amazonense há tempos não consegue organizar um grande campeonato, os motivos são muitos, envolve os Dirigentes da Federação Amazonense de Futebol - FAF, Dirigentes dos clubes de futebol, o Governo do Estado, as empresas do Distrito Industrial, o Judiciário e os torcedores.

Os dirigentes da Federação Amazonense de Futebol – FAF, estão no poder a séculos, hoje estão dirigindo a Entidade sobre efeito de liminar concedido pelo Judiciário do Estado, são esses dirigentes da FAF que nada fizeram para melhorar o futebol Amazonense que devem ser declarados inimigos do Amazonas! Com eles a frente dessa instituição que responde pelo nosso futebol não é possível ver futuro positivo para esse esporte no Amazonas. A depender da pratica desses Dirigentes, certamente a Arena da Amazônia que já é um plágio do Ninho dos Pássaros, não passará de um monumento à incompetência!

Os clubes do Amazonas são hoje instituições falidas, não dispõe de estrutura mínima para pratica do futebol, a estrutura administrativa desses clubes é caduca, jurássica e por demais amadoras para o tempo que estamos vivendo, o único clube que tem um estádio caindo aos pedaços é o São Raimundo, os demais, na maioria não dispõem de campo para treinar, não investem nem no futebol profissional e muito menos nas categorias de base, isso impede a formação de atletas de alto rendimento. Os dirigentes desses clubes não estão preocupados com planejamento, são imediatistas, vivem mendigando migalhas junto ao Governo. Sem planejamento ninguém investe e assim eles decretam o fim do futebol no Amazonas.

Quem poderia ajudar a impulsionar o nosso futebol? Somos unanimes em afirmar que as empresas instaladas no Distrito Industrial podem e devem assumir essa tarefa, primeiro pelo extraordinário faturamento. Segundo pelo fato de deixarem aqui apenas 8% desse fabuloso lucro. Terceiro como contrapartida social pela excelente mão de obra dos nossos operários. Quarto pelo fato de que com a Copa no Amazonas deve dobrar a produção e consequentemente o faturamento delas.

Os investimentos dessas empresas não podem ser na construção dessa famigerada Arena da Amazônia, muito menos na FAF, CBF ou coisa do tipo, isso é pura sacanagem e não serve como referencia para responsabilidade social para com o nosso povo, o patrocínio deve ser para os clubes, escolas de futebol, e outras do gênero, esses investimentos devem ser acompanhados de um plano de aplicação com mecanismos de monitoramento bem objetivo, de preferencia com controle social feito pela sociedade.

No caso especifico dos clubes de futebol, como afirmei acima, os Dirigentes devem urgentemente reformular seus estatutos para acabar com a famosa “caixa preta” que impede a transparência em suas administrações, sem isso, não é possível alguém em sã consciência investir no melhor e mais bem intencionado projeto que eles vierem apresentar, lembro que: (há tempos atrás, participei de um projeto no Fast Club, esbarramos num tal Conselho, sei lá das quantas que mantinha relações inconfessável com o dono do Bingo que explorava a sede, o mesmo pagava um aluguel irrisório que logo recorreu a esse Conselho quando questionamos os valores do generoso aluguel, o resultado foi à destituição na Diretoria pela Justiça), tanto no caso FAF, como no Fast, sem questionarmos o mérito processual, a Justiça foi decisiva para manter o marasmo que o Futebol Amazonense está mergulhado, dai a citação dessa douta Instituição.

O Governo do Estado: há o Governo! A gestão pública no Amazonas ainda está na era medieval, os governantes se apropriam da estrutura do Estado para a locupletacão de uma pequena casta de amigos do poder, para isso eles são capaz de ignorar todas as normas, para aferirem lucros pessoais para essa casta, na visão deles, o aparelho estatal funciona como sua galinha dos ovos de ouro! São impetuosos quando o assunto é vantagem pessoal, isso justifica ignorarem as constatações do TCU, pouco importa se estão construindo uma múmia ou um elefante seja qual for à cor, o que interessa mesmo são os por dentro e por fora do orçamento, como diz o Ex-deputado Cordeiro “a babita”! Por isso, o que mais incomoda todos nós é a denuncia de corrupção embutidas nos orçamento das obras, que o governo do Estado preferiu ignorar substituindo os recursos do BNDES vetados pelo TCU, aportando recursos do Estado na obra. Como acusa as reportagens.

A torcida não foge a regra dos outros Estados, como todo brasileiro os amazonenses são apaixonados por futebol, porém, não adotam os clubes locais para torcer, porque será? Não precisa fazer nenhuma pesquisa, tudo que afirmei acima são motivos suficientes para justificar esse fenômeno, é claro que gostamos de um bom espetáculo de Futebol, porém, é impossível alguém frequentar os jogos do campeonato amazonense de futebol, a condição técnica dos times está abaixo da qualidade dos torcedores, culpa dos Dirigentes da FAF e dos clubes que os elegem.

Lamentamos pela forma negativa que o Amazonas, ganha destaque na imprensa Nacional, infelizmente na grande maioria das vezes os reportes estão com a razão, verdadeiramente não dá para acreditarmos na idoneidade dos nossos Dirigentes, se alguém se habilita a defendê-los. Boa Sorte!

(*)Elson de Melo é Sindicalista

0 comentários:

Postar um comentário