segunda-feira, 14 de março de 2011

Dia da Poesia: nossa homenagem ao poeta Alexandre Otto

0 comentários
Nada escapa da sensibilidade do poeta, para ele, tudo é poesia: o sol, a lua, o dia, a noite, o céu, o mar... Para o poeta até o feio é belo! O que mais inquieta o poeta? A resposta é: as injustiças e a destruição da natureza.

A poesia é a espada desse eterno gladiador social, com sua poesia o poeta contesta, conclama, lamenta, denuncia! Entender o poeta é simples como é a sua vida. Não existem mistério nem hipocrisia no gesto ou no pensamento do poeta, para ele, tudo é poesia, há como é bela a poesia!

O poeta Amazonense Alexandre Otto, membro do Clube da Madrugada, escritor, compositor e publicitário, sobrevive da publicidade e do marketing politico, com suas musicas nosso querido Otto venceu grandes festivais, homem simples, dedicado aos filhos, tem poesias para editar muitos livros, porém, não consegue editora nem patrocínio para que o mundo possa conhecer melhor seu trabalho.

Na sexta feira passada 11/03/2011, ele ouviu um relato de um motorista particular de um bacana, inquieto transformou-o em poesia, dedicou aos pobres e oprimidos da terra que esquecidos pela boa sorte, respiram juntos os odores da putrefação provocada pelas injustiças sócias. O blog A Lucta Social publica em primeira mão a poesia “Câmara de Gás” numa homenagem druida ao brilhante poeta Alexandre Otto, que mantem viva a esperança de um dia, os filhos da pobreza superarem os odores fétidos dos patrões. Confira e declame conosco essa sátira social:


Quando o rico peida,
O motorista particular
É quem cheira o peido,
Puto da vida, mas resignadamente,
Porque não pode perder o emprego,
Nesses tempos tão difíceis como os de hoje.

Quando o pobre peida,
Nessa façanha cotidiana e solta,
Ele é como um rato, uma barata, um cão pulguento.

Solitário,
Não há ninguém para cheirar o seu peido.
Não há parceiros,
Quando não se tem dinheiro,
E o pobre é obrigado a cheirar sozinho,
A descarga angustiante de sua pobreza.

Mas um dia, amigos solitários e abandonados,
Nós os pobres do planeta Terra,
Peidaremos juntos,
Em uma bomba de 100 megatons acontecerá.

E os ricos,
Impreterivelmente, como fazem hoje conosco,
Vão ter que cheirar em holocausto,
O nosso gigantesco e fedorentíssimo
Aéreo cogumelo nuclear.

Manaus, 11 de março de 2011.
Alexandre Otto

O Autor desta sátira do dia a dia do povo Brasileiro é o poeta e escritor Alexandre Otto membro do Clube da Madrugada.

0 comentários:

Postar um comentário