sexta-feira, 18 de março de 2011

Dilma manda Força Nacional reprimir Trabalhadores na Usina do Jirau

1 comentários
Revoltados com os constantes assédios moral praticado por Seguranças da Camargo Corrêa, motoristas da empresa responsáveis pelo transporte, truculência da chefia e ameaça de demissão em massa. Os Operários que constroem a Usina do Jirau a 150 quilômetros de Porto Velho/Rondônia foram acometidos pelo um profundo stress que culminou em conflitos que começou com uma briga entre funcionários da obra e Motoristas, provocando a depredação e queima das instalações do canteiro da obra, queima de 45 ônibus e a destruição de 60 carros, o fato ocorreu no dia 15/03/2011 as 17h30minhm.

O episodio já rendeu aos trabalhadores à detenção de mais de 30 operários, a Camargo Corrêa paralisou ontem as obras de construção da Usina Hidrelétrica de Jirau, no Rio Madeira, em Rondônia. Um dos principais projetos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), o canteiro de obras de Jirau abrigava 22 mil trabalhadores e está em clima barril de pólvora desde quarta-feira. A maioria dos os alojamentos da margem direita da obra, foram queimados, enquanto os operários da margem esquerda só conseguiram sair escoltados pela Polícia.

A truculência maior agora vem do governador de Rondônia, Confúcio Moura, do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo e da Presidente Dilma, os dois últimos atenderam sem avaliação previa o pedido do primeiro e mandaream ontem 600 homens da Força Nacional para tentar controlar a situação. O governador também pediu tropas de Exército, Marinha e Aeronáutica para proteger paióis de explosivos e fazer a vigilância do Rio Madeira e do espaço aéreo na região. Segundo o governo estadual, os manifestantes incendiaram 45 ônibus, 15 carros, 15 alojamentos e mais de 30 diferentes instalações. O incêndio teria deixado sem abrigo 12 mil peões.

Os trabalhadores reclamam que o pagamento de horas extras está sendo cortado pela Camargo Correa. E reivindicam também o aumento do valor da cesta básica dos atuais R$110 para R$350, igualando o montante ao de outras empresas que atuam na obra.

O gerente de Relações Trabalhistas e Sindicais da empresa, Roberto Silva, disse que as queixas dos trabalhadores sobre a truculência de encarregados, seguranças e motoristas são questões pontuais.

Cadê o Sindicato dos Trabalhadores?

O Sindicato que é o órgão que deveria assumir a defesa dos Operários até o momento limitou sua ação em condenar publicamente a reação dos trabalhadores, parece que os maltrato feito pelos representantes patronal aos trabalhadores tem a chancela dos dirigente do Sindicato. É sempre assim, depois do ocorrido a empresa é uma inocente, não sabe de nada, não viu, nem ouviu nada, transformam sua truculência em coisa pontual, onde está o Sindicato dos Trabalhadores, que não assume a defesa de seus representados, será que comeu abiu, ou está do lado das empresas truculentas.

Para atender os patrões a Presidente Dilma sequer questionou a necessidade de deslocar essa Força Nacional, nem no combate a bandidos perigosos esse aparato é mobilizado, isso é para pagar os milhões que a Camargo Corrêa investiu em sua campanha, para ludibriar esses mesmos Operários a votarem nela, na hora de pagar a conta, ela nega um salario melhor para os trabalhadores, trata um conflito trabalhista como coisa de Policia, transformando-os em bandidos, tudo para agradar os patrões.

O confronto entre trabalhadores na usina do Jirau, no Rio Madeira, em Rondônia, aumenta o risco de atraso na entrega da hidrelétrica, cujo início das operações estava previsto para março de 2012. O presidente do consórcio ESBR, vencedor da licitação, Victor Paranhos, disse que as obras estão totalmente paradas.

1 comentários:

Anônimo disse...

Estou assistindo a tudo isto de longe, mas com grande preocupação, pois meu tio trabalha nesta usina. Acredito que a atitude do governo, não foi para advogar em prol deste ou daquele, e sim foi para proteger muitos trabalhadores que tentavam fugir desta confusão e suas famílias. Questões de reinvindicações trabalhistas não devem ser proclamados com tal selvageria e agressividade. Muitos trabalhadores estavam com medo de terem suas casas saqueadas, queimadas e temiam pela vida de seus familiares que moram nas cidades vizinhas à obra. Como disse o meu tio trabalha lá, foi tabalhar ontem pela manhã, e teve que voltar pra casa, pois os manifestantes estavam queimando tudo, e ameaçando muitos. A movimentação de policiais e força nacional, foi para tentar proteger em primeiro lugar a vida de muitos inocentes trabalhadores, visto que o tumultuo era de proporção imensa.

Postar um comentário