sábado, 5 de março de 2011

NEM RUIM DA CABEÇA, NEM DOENTE DO PÉ

0 comentários
Por: José Ribamar Bessa Freire

No momento em que escrevo... Perdão, no carnaval ninguém escreve chongas... No momento em que BATUCO essas mal traçadas linhas, até os postes e as estátuas do Rio de Janeiro estão remexendo o esqueleto. O Cristo Redentor levantou o dedinho, o Pão de Açúcar está rebolando e até a igreja da Penha caiu na gandaia. Foram 14 transatlânticos que ancoraram no Píer Mauá. Os hotéis estão entupidos. A cidade bate o recorde de turistas. Um milhão de visitantes, dos quais 300 mil são estrangeiros, segundo dados oficiais da Riotur. O carnaval, entre outras coisas, é um grande negócio.

Se o carnaval durasse o ano inteiro e houvesse um rodízio, cada dia teria um bloco diferente nas ruas do Rio, sem repeteco. O carnavalesco e folião-mor Gilberto Menezes Moraes, professor da UERJ, contou um por um: são 365 blocos que desfilam, oficialmente, no carnaval carioca, alguns deles contrariando Dorival Caymmi, porque mesmo quem é considerado “ruim da cabeça ou doente do pé” caiu na folia, mostrando que é bom sujeito e que gosta de samba, de pandeiro, de surdo e de tamborim.

Surdo e tamborim

Quem foi que disse que o “doente do pé” não pode pular carnaval? Pode sim, se entendemos que “pular” é brincar e curtir. Por isso, os cadeirantes criaram um bloco chamado “Senta que eu empurro”, que desfilou pelas ruas do Catete nessa sexta-feira, dia 4 de março, num diálogo com outro bloco, o “Empurra que pega”. Esse eu perdi, mas não perco o bloco “Gargalhada” por nada no mundo.

O “Gargalhada” desfila hoje, domingo, às 16hs., na Avenida 28 de setembro, Vila Isabel, zona norte do Rio, com cobertura do Diário do Amazonas, de Manaus, que terá um enviado especial – euzinho aqui, o primo da Lúcia Jacinaguara. Esse é o único bloco que tem um intérprete de LIBRAS, a língua brasileira de sinais. Na realidade, dois intérpretes que traduzem todo o evento para os surdos e ensinam aos ouvintes presentes algumas palavras em Libras incluindo, entre os alunos, o próprio Rei Momo que vai cumprimentar os surdos em LIBRAS.

Criado há sete anos para promover a inclusão dos surdos no carnaval, o “Gargalhada” fez uma parceria com os grupos “Instituto Interdisciplinar Rio Carioca” e “Anjos de Visão”, que congrega deficientes cegos, surdos cadeirantes, anões, portadores de síndrome de Down, amazonenses e baianos deslocados no Rio e quem mais quiser. Por favor, quero que me excluam DENTRO dessa, se é que me faço entender.

Os deficientes visuais, aliás, pela primeira vez, poderão ouvir uma narração detalhada dos desfiles do Sambódromo, num serviço gratuito oferecido pela Riotur no Setor 13, que disponibilizou 300 ingressos para pessoas deficientes. O carnaval paulistano também traz um projeto inovador intitulado “Só não vê quem não quer”, que leva pessoas cegas e de baixa visão para acompanhar os preparativos e desfiles finais das escolas de samba.

- “Eu não sabia da beleza dela, mas eu descobri. Foi maravilhoso. Na hora que eu peguei nas mãos dela, deu pra sentir a delicadeza das mãos, o gingado”, disse Diego, um deficiente visual, depois de dançar com Joyce, a rainha da bateria de uma escola. “Estou vendo tudo, sentindo tudo e com detalhe: dessa vez interagindo” – falou outro deficiente visual, Airton Rio Branco.

Loucura Suburbana

Quem caiu no samba não foram apenas os doentes do pé, os cadeirantes, os deficientes visuais, os surdos, mas também os que são considerados “doentes da cabeça”. No domingo passado, dia 27 de fevereiro, euzinho aqui, enviado do Diário do Amazonas fui conferir, como faço todos os anos, o bloco “Tá pirando, pirado, pirou”, formado por portadores de sofrimento psíquico, seus familiares, funcionários de instituições de saúde mental, simpatizantes e alguns bichos da fronteira, como nós, com um pé lá e outro cá.

Esse bloco que nasceu no Instituto Pinel, na Urca, em 2005, desfilou a primeira vez dentro do hospital. Deu certo e, então, a partir do ano seguinte foi pra rua com bonecos feitos com fibra de vidro e com caixas de remédios controlados de tarja preta. Concentra na Rua Lauro Muller, desfila na Avenida Pasteur, na Urca - sede do primeiro hospício da América Latina, o Pedro II. Dispersa na pracinha do Pão de Açúcar, onde o repertório inclui sambas enredos clássicos e marchinhas.

O “Tá pirando”, em parceria com o Centro de Teatro do Oprimido, realizou oficinas para formar a comissão de frente. O samba enredo desse ano, criado pelo Nico do Cavaco, Roni Valk e Bisqüi da Fatinha, cantou a filosofia do prazer, de sentir e experimentar, com o título “Amor, venha desfrutar as 7 maravilhas do mundo”.

Na mesma linha, outro bloco é o “Loucura Suburbana”, formado por pacientes, funcionários e familiares do Instituto Municipal Nise da Silveira. Desfilou pelas ruas do Engenho de Dentro, na Zona Norte nessa quinta-feira, dia 3, com o samba “Sou parte da história, venha ver meu dia-a-dia, pra 10 anos de loucura, mais 100 anos de folia”. Dessa forma, o bloco comemora os seus dez anos de vida e um século de existência do Instituto, cantando a história do bairro, da saúde mental e da psiquiatria brasileira.

O “Loucura Suburbana” volta ainda às ruas em três momentos diferentes: hoje, domingo, dessa vez na própria Sapucaí, participando de uma ala da Mocidade Independente de Padre Miguel, em conjunto com o Núcleo de Cultura, Ciência e Saúde da Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro; terça-feira, dia 8, na Avenida Intendente Magalhães, numa ala da Escola de Samba Canarinhos de Laranjeiras; e finalmente de volta ao sambódromo no sábado, 12 de março, no desfile das campeãs, como ala da Escola Embaixadores da Alegria. Os caras estão bombando.

O terceiro bloco é o “Tremendo nos nervos” do Centro Psiquiátrico do Rio de Janeiro, no bairro da Saúde, Zona Portuária do Rio, por cujas ruas desfilam seus integrantes, que fecham a Rua Sacadura Cabral depois de se concentrarem na Praça da Harmonia.

Os três blocos envolvem os pacientes em todas as atividades, desde a escolha do enredo e da camiseta, passando pelo concurso de sambas, confecção de fantasias, oficinas e rodas de samba. Os médicos afirmam que essa participação, além de constituir uma diversão, criou um espaço de convivência, de troca de ideias, e virou parte do tratamento dos portadores de sofrimento psíquico. Contribui também para combater o preconceito do entorno e para reforçar o bloco “Passa a mão, mas não mete o dedo”.

Os blocos dos excluídos são vitais numa sociedade onde Jaqueline Roriz – filha de peixe – junto com Maluf, Newton Cardoso, Almeida Lima e tantos pilantras integram a comissão de frente da reforma política. São imprescindíveis, num país onde Sarney preside o Senado, onde todos eles passam a mão e, ainda por cima, metem o dedo.

Num contexto desses, o carnaval parece ser o espaço mais sério, democrático e solidário do país. Simboliza o que existe de melhor e de mais sadio na sociedade brasileira. Constitui uma esperança saber que os excluídos estão se organizando e reivindicando um lugar na sociedade e que existe muita gente que se solidariza com eles. Com humor, os excluídos estão conquistando a cidadania. Um país em que o doente do pé e o ruim da cabeça sambam com alegria tem que dar certo.

Ah, se a sociedade brasileira fosse tão inclusiva como está sendo no carnaval, o país seria outro! Saudade danada do Darcy Ribeiro, que nos deixou no carnaval de 1977 depois de nos ajudar a compreender isso. Viva Ana Pereira! Viva o Carnaval, que a ninguém faz mal.

P.S. – Doutor Rogelio Casado, cadê o bloco “Unidos do Eduardinho”, formado por portadores de sofrimento mental de Manaus? Sem ter onde desfilar esse ano, a urna da 41ª. Seção Eleitoral, do bairro de Aparecida, em Manaus, conhecida como “urna dos malucos”, mandou uma representante pra desfilar no “Tá pirando” no Rio de Janeiro. Ela se sentiu em casa: ela entre elas.

0 comentários:

Postar um comentário