sábado, 23 de julho de 2011

Desmatamento na Amazônia Legal caiu em junho, mas aumenta de 15% em 12 meses

0 comentários
Por Redação, com RBA - de Brasília

Amazônia ainda concentra a maior
floresta primária do mundo
No mês de junho, foram desmatados 99 quilômetros quadrados na Amazônia Legal. Apesar de representar uma redução de 42% em relação a junho de 2010, quando o desmatamento somou 172 quilômetros quadrados, na comparação com o mesmo período do ano passado, houve aumento de 15%. Os números foram divulgados, nesta sexta-feira (22), pelo Instituto do Homem e do Meio Ambiente da Amazônia (Imazon).

A Amazônia Legal abrange áreas nos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins e parte do estado do Maranhão. O desmatamento acumulado no período de agosto de 2010 a junho de 2011 totalizou 1.534 quilômetros quadrados. Nos 11 meses anteriores, a devastação havia somado 1.334 quilômetros quadrados.

Em junho, segundo o Imazon, as novas derrubadas ficaram concentradas no Pará e em Mato Grosso. Juntos, os estados foram responsáveis por 70% da área desmatada no bioma. O Pará desmatou 45 quilômetros quadrados no período e Mato Grosso, 25. O Amazonas e Rondônia aparecem em seguida no ranking, respectivamente com 19 e 10 quilômetros quadrados de novos desmates.

Além do corte raso (desmatamento total), o levantamento do Imazon mede a degradação florestal, que considera florestas intensamente exploradas por atividade madeireira ou atingidas por queimadas. Em junho, a degradação avançou sobre 193 respectivamente de áreas de floresta.

Geografia do desmatamento

Em relação à situação fundiária, em junho de 2011, a maioria (62%) do desmatamento ocorreu em áreas privadas ou sob diversos estágios de posse. O restante do desmatamento foi registrado em assentamentos de reforma agrária (22%), unidades de conservação (15%) e terras indígenas (1%). Segundo o estudo, em junho de 2011, o município mais desmatado foi Altamira, no Pará, com 9,4 quilômetros quadrados de área desmatada.

Fonte: http://correiodobrasil.com.br/desmatamento


0 comentários:

Postar um comentário