sábado, 28 de abril de 2012

Discurso de aceitação do Prêmio Nobel da Paz (1980)

0 comentários

Majestade, altezas, Senhoras e Senhores:

Com humildade estou diante de vocês para receber a mais alta distinção que o Comitê Nobel do Parlamento Europeu e concedido àqueles que dedicaram suas vidas para a paz, a promoção da justiça e da solidariedade entre os povos.


Eu quero fazer em nome dos povos da América Latina, e mais particularmente dos meus irmãos pobres e pequenos, porque eles são o mais amado por Deus em seu nome, meus irmãos indígenas, camponeses, trabalhadores, de jovens, milhares de homens e mulheres de boa vontade que compartilham desistir dos seus privilégios e modo de vida dos pobres e lutam para construir uma nova sociedade.

Para um homem como eu, uma pequena voz dos sem voz, lutando para ser ouvido em pleno vigor o clamor dos povos, sem outra identificação com a América homem americano de concreto e um cristão, isto é, sem dúvida, o maior honra que eu posso receber que eu considero um Servo de paz.

Eu venho de um continente que vive entre a angústia ea esperança, e onde se encaixa a minha história, estou convencido de que a escolha da força evangélica da não-violência como um desafio e abre novas perspectivas e radicais.

Uma opção que prioriza um valor fundamental e dignidade profundamente cristã do homem, a dignidade transcendente sagrado e inalienável que vem do fato principal de ser um filho de Deus e irmão em Cristo e, portanto, nosso irmão.


Nesses longos anos de luta através do Serviço de Paz e Justiça na América Latina partilham a viagem com os pobres e necessitados.

Nós não temos muito a dizer, mas muito a compartilhar atingir com não-violenta luta pela abolição da injustiça, para conseguir um. Mais justa e humana para todos

Neste passeio com os meus irmãos os pobres, os perseguidos, os que têm fome e sede de justiça, aqueles que sofrem por causa da opressão, os que estão angustiados com a perspectiva de guerra, o sofrimento que a agressão de violência ou são negligenciados seus direitos fundamentais.


Medalha de ouro esculpida Prêmio Nobel

Isso é tudo que eu estou aqui.

Minha voz quer ter a força da voz dos humildes. A voz que denuncia a injustiça e proclama a esperança em Deus e da humanidade que é a esperança do homem que anseia por viver em comunhão e participação com todos os irmãos como filhos de Deus.

A América Latina é um continente jovem, vital, que foi definido pelo Papa Paulo VI como o Continente da Esperança.

Para conhecer a realidade é avaliar a verdadeira vocação de compartilhar o seu destino.
Para conhecer é alcançar uma identidade profunda com as pessoas que estrela em um processo histórico, estar disposto a resgatar a dor com amor, assumindo, nesta perspectiva, a prática de Jesus.

Mas quando vemos a realidade que os nossos povos é uma ofensa a Deus, em que milhões de nossas crianças, jovens, adultos, idosos que vivem sob o signo do subdesenvolvimento.

Violência institucionalizada, a miséria e a opressão criar uma realidade dual, o resultado das contínuas criadores políticos e econômicos sistemas de injustiça, que estabelecem uma ordem social que beneficia a poucos, ricos ficando mais ricos à custa de pobres cada vez mais pobres.


Diante desta realidade, eu gosto dos bispos em Puebla, como cristãos envolvidos nos movimentos de direitos humanos, como os homens de boa vontade compartilhar as ansiedades que emergem as faces enlutadas do homem latino-americano em lhe reconhecemos o rosto sofrimento de Cristo, nosso Senhor para questões e desafios. 

Falo tendo diante de meus olhos a memória viva dos rostos dos meus irmãos, trabalhadores, operários e camponeses que estão reduzidos a padrões de vida sub-humanas e os direitos sindicais limitados comerciais, os rostos das crianças que sofrem de desnutrição, de jovens que vêem suas esperanças frustradas, da população urbana marginalizada do nosso indígena das mães que procuram seus filhos desaparecidos, de falta, muitas delas crianças, de milhares de exilados,

Povos que exigem liberdade e justiça para todos.

Mas com tanta dor, porque eu vivo Espero que a América Latina é um continente de pé, o que pode atrasar o seu lançamento, mas nunca parar.

Espero que vivemos, porque nós, como Paulo, que o amor nunca morre e que o homem, no processo histórico, criou enclaves de amor com a prática ativa de solidariedade em todo o mundo para a libertação integral do homem e pessoas.

Para mim, é essencial para a oração da serenidade interior para ouvir o silêncio de Deus nos diz em nossas vidas pessoais e no sinal dos tempos em nossa história a força do Amor.
.
E para que a fé em Cristo e os homens que contribuir com nossa humilde esforço na construção de uma sociedade mais justa e humana. E eu digo isso com ênfase: Que mundo é possível.

E para construir essa nova sociedade deve ser com as mãos abertas, fraterna, sem ódio, sem rancor, de reconciliação e de paz, mas com muita firmeza, sem dar defesa da Verdade e da Justiça.

Porque eu sei que ninguém pode crescer com os punhos cerrados. Para semear, devemos abrir nossas mãos.

Eu quero agradecer a todos vocês, o Comitê Nobel para esta alta distinção para os pobres da América Latina.

Estou animado e também se comprometeram a redobrar os meus esforços na luta pela paz e justiça. Desde que a paz só é possível como resultado ciclizados Justiça, que a verdadeira paz é a transformação profunda da não-violência é a força do Amor.

Quero expressar-lhe que, graças à ajuda e compreensão de minha esposa e filhos, na luta mais dura e difícil, eu continuo com meus irmãos na América Latina, com o seu amor, silêncio e empresa, e sempre contribuir para fortalecer-me e dar-me a coragem para servir os meus irmãos.

Invocando o poder de Cristo, nosso Senhor, como nos foi ensinado no Sermão da Montanha e eu quero compartilhar com vocês, meu povo e do mundo.

Bem-aventurados os pobres esp íritu, porque deles é o Reino dos Céus
Bem-aventurados os mansos, porque eles n na herança de terras,
Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados. Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão fartos.

Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles atingem um misericórdia
Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus,
Bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus,
Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça, porque deles é o Reino dos Céus
Bem-aventurados sois vós, quando vos insultarem e perseguirem e disserem toda a espécie de mal contra vós por minha conta. Alegrai-vos e exultai, porque é grande o vosso galardão nos céus, pois assim perseguiram os profetas que foram antes de vós.

(Mateus 5: 1-12)

Queira aceitar meus sinceros agradecimentos e votos de paz e bom.
De Les Prix Nobel. O Prêmio Nobel de 1980, Editor de Wilhelm Odelberg, [Fundação Nobel], Estocolmo, 1981

 Discurso de aceptación del Premio Nobel de la Paz (1980)


0 comentários:

Postar um comentário