domingo, 10 de junho de 2012

Desmatamento no Lago do Aleixo em Manaus(AM): Crime ambiental ou omissão dos Órgãos Ambientais Municipal, Estadual e Federal?

0 comentários

Área desmatada desde o dia 07/06/2012 mostra a brutalidade do crime!

Os comunitários da comunidade Vista Bela no Lago do Aleixo, Zona Leste de Manaus(AM), estão desde quinta-feira (7/06/2012), tentando denunciar um crime ambiental para  as Autoridades Ambientais no Estado do Amazonas (IBAMA, SEMAS, IPAAM, Ministério Publico e Batalhão Ambiental da Policia Militar do Amazonas), o crime ambiental é praticado pelo madeireiro João de Souza Farias, um velho conhecido e reincidente na área de desmatamento ilegal, e está sendo feito na margem do Lago do Aleixo, atrás da Penitenciaria Estadual, onde tratores trabalham incessantemente derrubando toda a mata ciliar do Lago.

Apesar de todos os esforços da comunidade em conter o crime ambiental, até hoje, domingo, a denúncia não foi possível ser feita em razão dos órgãos competentes não possuírem plantão ambiental tanto no IBAMA, no IPAAM, como na SEMMAS e até mesmo no Batalhão da Polícia Ambiental. Segundo os comunitários o autor do desmatamento o madeireiro João de Souza Farias, conhecido pela petulância de desafiar a legislação, os órgãos Ambientais dos Governos Federal, Estadual e Municipal, para cometer crimes contra a natureza.

Hoje 10/06/2010 domingo, dois tratores deram continuidade a derrubada da mata as 7horas da manhã, sem que qualquer autoridade fosse pelo menos localizada para receber a denuncia, isso é motivo de tristeza para os comunitários, que assistem sem poder resistir a consumação de um crime que acontece sob os olhares complacentes dos Órgãos Ambientais no Estado do Amazonas, tudo porque os seus titulares estão curtindo o feriado prolongado.

AÇÃO COMBINADA

Uma ação planejada e combinada com o Feriado prolongado quando esses órgãos pararam de funcionar desde a quarta feira (06/06/12), para que seus funcionários e Dirigentes fossem curtir um final de semana de muito lazer e sem serem incomodados!

Valendo-se desse fato, o madeireiro articulou tudo, providenciou os tratores, uma equipe de jagunços (uma verdadeira milícia partícular) fortemente armados e começou o desmatamento. Os comunitários não conseguiram se aproximar do local devido o forte esquema de segurança armado pelos jagunços.

AS TERRAS NO LAGO DO ALEIXO.

Na área próxima a Penitenciária do Puraquequara, entre o final do lago e o início do igarapé da Castanheira, o madeireiro João de Souza Farias, está se intitulando dono das terras. Este senhor atua desde o início da Comunidade Bela Vista no ramo de venda de madeira, ele chegou bem antes da construção da Penitenciária. Hoje no local de sua madeireira, (próxima a Penitenciária do Puraquequara) existe um porto de descarga de seixo e areia.

Ele tem planos para construir algo na área (empresa de reciclagem de alguma coisa), disse que vai limpar tudo e deu um prazo de 10 dias para que os moradores saiam das casas localizadas na margem do lago. Ele está oferecendo R$ 5.000,00 (cinco mil reais), para que os moradores providenciem uma nova casa.

As informações foram dadas por moradores da área e conhecido da Dona Maria do Carmo. Eles pediram para fotografar a área e encaminhar um pedido as autoridades para que os moradores não sejam expulsos de suas casas. Segundo os moradores, o dito proprietário vai limpar tudo e jogar mata e aterro no Lago do Aleixo. Os moradores estão se mobilizando para tomarem posicionamento com relação ao assunto

Os moradores da Comunidade Bela Vista, conhecem bem as histórias do madeireiro João Farias!

Este fato nos mostra que com muita dificuldade a população está aos poucos conseguindo falar dos problemas da comunidade e que o entorno do encontro das águas carece com urgência de políticas que ampare o caboclo do beiradão da Colônia, Puraquequara, Jatuarana, Catalão, Terra Nova, dentre tantas outras paragens.

O madeireiro João de Souza Farias aposta na morosidade dos Órgãos Ambientais no Amazonas, para praticar esse tipo de crime, da mesma forma, ele acredita na impunidade e afronta o poder publico com a certeza de encontrar amparo politico das autoridades locais, como vem fazendo a Amzonaço, que até agora não cumpre a determinação da Justiça Federal que interditou e mandou demolir uma obra no Encontro das águas na confluência dos rios Negro e Solimões.

Texto: Elson de Melo, Valter Calheiros e Elisa Wandelli
Fotos: Valter Calheiros ativista Ambiental do SOS Encontro das Águas

Lago Aleixo e Comun Bela Vista - 10 de junho de 2012(01)


Lago Aleixo e Comun Bela Vista - 10 de junho de 2012(02)


Lago Aleixo e Comun Bela Vista - 10 de junho de 2012(03)


Lago Aleixo e Comun Bela Vista - 10 de junho de 2012(04)


Lago Aleixo e Comun Bela Vista - 10 de junho de 2012(05)


Lago Aleixo e Comun Bela Vista - 10 de junho de 2012(06)


Lago Aleixo e Comun Bela Vista - 10 de junho de 2012(07)


Lago Aleixo e Comun Bela Vista - 10 de junho de 2012(08)


Lago Aleixo e Comun Bela Vista - 10 de junho de 2012(09)


Lago Aleixo e Comun Bela Vista - 10 de junho de 2012(10)


Lago Aleixo e Comun Bela Vista - 10 de junho de 2012(11)


Lago Aleixo e Comun Bela Vista - 10 de junho de 2012(12)


Lago Aleixo e Comun Bela Vista - 10 de junho de 2012(13)


Lago Aleixo e Comun Bela Vista - 10 de junho de 2012(14)


Lago Aleixo e Comun Bela Vista - 10 de junho de 2012(15)


Lago Aleixo e Comun Bela Vista - 10 de junho de 2012(16)


Lago Aleixo e Comun Bela Vista - 10 de junho de 2012(17)


01 Penitenciária do Puraquequara e Lago do Aleixo maio de 2010


02 Área da Penitenciária Puraquequara Bairro Bela Vista -16 de maio de2012


03 Área fundo da Penitenciaria do Puraquequara - 30 de maio de 2012


04 Área fundo da Penitenciaria do Puraquequara - 30 de maio de 2012


05 Área fundo da Penitenciaria do Puraquequara - 30 de maio de 2012


06 Área fundo da Penitenciaria do Puraquequara - 30 de maio de 2012


07 Área fundo da Penitenciaria do Puraquequara - 30 de maio de 2012


08 Área fundo da Penitenciaria do Puraquequara - 30 maio de 2012


09 Dona Maria Carmo - remando no Lago do Aleixo


10 Igarapé - após o Lago do Aleixo


11 Igarapé - após o Lago do Aleixo


12 Igarapé - após o Lago do Aleixo



0 comentários:

Postar um comentário