domingo, 12 de agosto de 2012

Os bundões e a bíblia da bunda

0 comentários

José Ribamar Bessa Freire
12/08/2012 - Diário do Amazonas
Cara de bundão. É, essa foi a cara do advogado Marthius Lobato, quando foi questionado pelo ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Joaquim Barbosa sobre a defesa do ex-diretor do Banco do Brasil, Henrique Pizzolato, acusado de desviar recursos públicos para o empresário Marcos Valério. O ministro fez três indagações. Juro que pela cara do advogado, pensei que ele ia dizer: "uso o meu direito constitucional de ficar calado".

Quando ia começar a escrever sobre os bundões, li na internet que a editora portuguesa Terramar vai lançar uma segunda edição do Breve História das Nádegas, escrito pelo historiador francês Jean-Luc Henning. Decidi, então, esperando o perdão dos leitores, recuperar com alguns retoques uma resenha que fiz, em 1995, da edição original deste livro intituladoBrève Histoire des fesses.
  
Como é que alguém pode interessar-se - cientificamente, é claro - por essa parte da anatomia humana e pesquisar seriamente durante anos sobre o tema? Resolvi ler o livro - afinal, o que abunda não prejudica - para conferir o interesse acadêmico do autor.

O eminente bundólogo francês, Jean-Luc, parte de uma constatação original: "entre as 193 espécies de primatas, somente a espécie humana possui nádegas hemisféricas, carnudas, globosas e salientes sobre as quais pode sentar-se". O que chegou mais perto do homem foi o babuíno, aquele macacão de bunda vermelha exposta.

Você já havia pensado nisso, leitor (a) ? Não é surpreendente? O homem é o único animal que tem bumbum, incluindo na espécie "homo" - é claro - a mulher, graças a Deus. A bunda é, pois, um fenômeno exclusivamente humano, mais humano - imagine só! - que o próprio coração, órgão compartilhado com outros animais.

Entusiasmado - digamos assim - com a humanidade da bunda, o historiador francês prosseguiu sua pesquisa para saber desde quando o homem a carrega. "Desde que o homem é homem"- ele responde. "As nádegas datam da mais alta Antiguidade. Elas aparecem quando o homem adquire a possibilidade de ficar em pé, em posição ereta, apoiado nas patas traseiras, permanecendo nesta posição".

Confesso que isso nunca me havia passado pela cabeça. Por falar em cabeça, o bundólogo Jean-Luc faz uma revelação-bomba tão impressionante que se você estiver em pé, leitor (a) recomendo aproveitar a sua condição humana e sentar-se sobre o traseiro para não cair.

Ele afirma que "as nádegas do homem são responsáveis, em certa medida, pela origem das funções pensantes do cérebro. As nádegas, ao encontrarem definitivamente o seu lugar, permitiram ao mesmo tempo que a cabeça encontrasse o seu". Em outras palavras, sem bunda - quem diria, hein! - não haveria pensamento. A lógica cartesiana baseada no "Penso, logo existo", foi antecedida por "Sento, logo penso". Acho bom a gente trocar e, em vez de  "papo cabeça", começar a falar de "papo bunda".

Ela - a bunda - tornou-se tão importante, que acabou pagando por crimes que não cometeu. Um problema nas vias respiratórias, exigindo uma injeção: onde é que a agulha vai furar? Uma operação plástica necessitando de enxerto: de onde se vai retirar o tecido? Quem recebe palmadas por erros cometidos pela cabeça e pelo coração?

Aliás, o autor do livro apresenta exemplos abundantes - desculpem o infame trocadilho ou a redundância - de como a Revolução Francesa puniu os seus opositores: ou a guilhotina cortava-lhes a cabeça ou chicotadas públicas dilaceravam-lhes o bumbum.

Sempre injustiçada, a bunda, vestida com um adjetivo, transforma-se em ofensa: "bunda mole", "bundão", "bundalelê", "bunda suja". O bundólogo Jean-Luc considera revoltante esse tipo de discriminação contra o seu objeto de estudo. Por essa razão, em seu livro, ele faz uma seleção literária de escritores e poetas que cantaram as virtudes do traseiro: Rabelais, Sade, Verlaine, Proust, Joyce e tantos outros.

No Brasil, o maior poeta de todos, Carlos Drummond de Andrade, canta os meneios das "duas luas gêmeas" num belíssimo poema: "A bunda, que engraçada./ Está sempre sorrindo, nunca é trágica. Não lhe importa o que vai / pela frente do corpo. A bunda basta-se. Existe algo mais? Talvez os seios. / Ora - murmura a bunda - esses garotos, ainda lhes falta muito que estudar".

Manuel Bandeira versejou sobre "as alvas formas de sereias, de braços nus e nádegas redondas". Cesário Verde mostrou-se maravilhado diante do sacolejo das "ancas opulentas" da amante e Jorge Amado partiu para a ignorância em Dona Flor: "Era uma bunda e tanto, das de tanajura".

Alguns leitores, é verdade, já leram antes esse texto, com ligeiras modificações. Não faz mal. Afinal, o que abunda, não prejudica. Vale a pena conferir a bíblia da bunda, reeditada pela editora portuguesa Terramar.

 P.S - Com ilustração do parceirinho Fernando Assaz Atroz.


0 comentários:

Postar um comentário