quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Uma mulher é morta a cada duas horas no Brasil

1 comentários

São Paulo – Uma mulher foi degolada e depois teve a casa incendiada no início da madrugada de ontem, em Carazinho, no norte do Estado. O corpo de Lúcia Adelaide Seldmann, 43 anos, foi encontrado pelos bombeiros que acorreram para controlar as chamas. Segundo a Brigada Militar, testemunhas relataram que viram um homem fugindo de moto com o filho de Lúcia. O menino tem dois anos. A polícia tem um suspeito.

O trágico fim de Lúcia compõe o quadro brasileiro da violência contra a mulher. A cada duas horas, uma mulher é morta. Na maioria dos casos, o assassino é namorado, marido ou ex-companheiro, que mata dentro de casa, após já ter cometido pelo menos uma agressão. Os dados constam do Mapa da Violência de 2012 - Homicídio de Mulheres. Entre 87 países, o Brasil é o sétimo que mais mata. Em 2010, foram 4.297 casos, ou 4,4 assassinatos por 100 mil habitantes.

Na comparação por faixa populacional, o Espírito Santo é o primeiro do ranking. Com taxa de 9,4 mortes, o dobro da média brasileira e o triplo de São Paulo, penúltimo da lista.

O Estado do Piauí é o menos violento, de acordo com o estudo elaborado pelo sociólogo Julio Jacobo, com base nos dados do Sistema de Informações de Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde.

No mapa das capitais, as Regiões Norte e Nordeste são as mais problemáticas. Porto Velho, Rio Branco, Manaus e Boa Vista, por exemplo, têm mais de 10 mortes por grupo de 100 mil habitantes. Na contramão, Brasília registra 1,7.

Mas, seja qual for a região, as principais vítimas são, normalmente, mulheres de 20 a 29 anos. A pesquisa é a primeira a registrar estatísticas regionais e, por isso, pode representar um marco na definição de políticas públicas.

– Quando o assunto é violência contra a mulher, não existe uma fórmula pronta. Por isso, é importante conhecer as realidades locais para trabalhar cada particularidade, especialmente as culturais. Muitas toleram uma agressão em nome da honra, por exemplo. De toda forma, qualquer que seja o trabalho, ele deve contar com a força policial. Foi assim que o Piauí se destacou – diz Jacobo.

Diferentemente do cenário de violência masculina, a agressão contra a mulher dificilmente acontece no bar ou no trabalho, mas na residência, nas ruas ou mesmo na escola.

Ainda segundo o estudo, o agressor emprega, em 53,9% dos casos, armas de fogo.

Fonte: Jornal Pioneiro - Caxias do Sul


1 comentários:

José Ribamar Mitoso disse...

É rapaz, depois ficam acusando as mães de baterem nos filhos quando crianças e ensinarem a pedagogia da palmada! Nem palmada, nem morte,nem esquartejamento físico e moral, como o do finado dona da yoki. Paz entre os gêneros, né, mano?

Postar um comentário