domingo, 16 de setembro de 2012

A democracia do voto imposto!

0 comentários


Não existe democracia livre, verdadeira e plena quando o voto não é livre, democrático e verdadeiro; mas imposto a todos.

Educação, cidadania plena, ética em todos os setores, menos impostos sobre o consumo, produção e folha de pagamento e um voto livre e democrático é o que precisa o Brasil para que passe a praticar o que acha que é, porque quanto mais analfabeto for o eleitor melhor e mais fácil será dominá-lo para aceitar e acatar  todos os “programas sociais de campanha” que nunca serão executados, projetos  que jamais sairão do papel e bolsas em prol de programas que sempre vão ser alvos de denúncias de super-faturamento, desvios de verbas públicas, corrupções, que desaparecem ou não serão cumpridos depois de iludir novamente os eleitores analfabetos politicamente, em época de campanha eleitoral.

A isso podemos denominar de analfabetia política funcional que consiste em não reconhecer símbolos de programas meramente eleitoreiros por não ter a capacidade de decodificá-los adequadamente. É a prática “do quanto pior melhor” para os interesses rapineiros de políticos de ocasião que se perpetuam em seguidas reeleições a custa da miséria dos eleitores confusos com tantas promessas que até Deus duvidaria.

Mas não interessa às autoridades educacionais do Brasil ensinar política nas escolas públicas ou particulares porque lhes faltará eleitores que só balancem as cabeças como meras “vacas de presépio”, tal a docilidade com que absorvem as bobagens e promessas pré-eleitoreiras, não conseguindo distinguir entre o que é programa perene de promessas repetitivas como gravadas em um disco furado, de promessas de campanhas que nunca serão cumpridas: água, saúde, educação, internet, esporte, habitação digna, internet, qualidade de vida e lazer para todos e etc. Se existisse uma Lei popular para destituir dos cargos os governantes fazem promessas descabidas em campanhas eleitorais e depois não as cumprem, poucos políticos conseguiriam concluir seus mandatos até o final.

Sem um voto livre e não por imposição de lei, nunca haverá democracia completa e o brasileiro sempre será coagido a votar. O voto livre, democrático, legítimo e verdadeiro é a única forma de ainda salvar o resto de dignidade que resta no Brasil e fará com grandes nomes de passado recente voltem a ingressar se orgulhar e participar da política nacional do passado, se candidatar a cargos eletivos.

Infelizmente, ao Governo não interessa que o voto seja verdadeiramente democrático porque, em um primeiro momento, haveria uma falta de eleitores nas urnas e ficaria difícil a eleição de fichas sujas, políticos que só prometem e não cumprem etc. Esses seriam alijados do processo sem necessidade de mobilização de mais de um milhão de assinatura para ser criada, instituída e muito questionada até hoje, a Lei da Ficha Limpa.

A disciplina de ciência política para ensinar os eleitores a votar corretamente, com consciência, separando o joio do trigo, identificando o que é promessa política só para receber votos e o que é promessa factual, plausível e necessária à cidade, ao Estado ou à Nação deveria ser ensinada em Escolas a todos os eleitores e futuros eleitores com idade superior a 12 anos, mesmo que a pessoa ainda não vote, só para começar a instruir uma massa crítica, responsável e consciente. Com certeza, os eleitores não se empolgariam tanto com promessas de Programas, Bolsas, Quotas que só dividem cada vez mais a já cambaleante e desunida sociedade brasileira.

0 comentários:

Postar um comentário