sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Manaus: cidade da rebeldia silenciosa

0 comentários

Elson de Melo
Tenho acompanhado com muita atenção a propaganda eleitoral obrigatória, afinal sou um eleitor que sempre procuro definir meu voto depois de avaliar criteriosamente as propostas das candidaturas. Há um mês das eleições, com um bombardeio de pesquisas publicadas e ainda com uma serie de boatos dos bastidores das campanhas das diversas coligações, somado a isso, uma gama de propostas requentadas de políticos dos mesmos grupos que dominam a politica local a mais de trinta anos, sou obrigado afirmar que até agora não assisti nenhuma proposta diferente das que estão sendo implementadas pelo atual Prefeito Amazonino Mendes, parece até que todos estão a serviço do velho caudilho.

No setor de transporte publico nenhuma das candidaturas tem abordado quanto será o preço da passagem para os próximos quatro anos, limitam-se a prometer a construção de Monotrilhos, implantar o tal de BRT, construir metrô de superfície, uma enxurrada de propostas mirabolantes para no final não implementarem nada e ainda elevar o preço da passagem para valores exorbitantes, como sempre fazem depois de eleitos!  Como usuário de ônibus lotados e demorados estou curioso para saber – quanto será o preço da passagem de ônibus para os próximos quatro anos?

Vamos para a questão do abastecimento de água: aqui está mais uma enxurrada de palavras para dizerem as mesmas propostas que fixaram em outras campanhas, também não fala quanto será a tarifa para os próximos quatro anos, só para esclarecer os demais eleitores, das nove candidaturas que ai estão se propondo a governar o Munícipio de Manaus, apenas uma é estreante na politica local, as demais estão há muito tempo militando ou exercendo cargos públicos na cidade, portanto já deveriam ter pelo menos sugeridos aos seus chefes governamentais que tanto endeusam e a quem se mostram obediente o que eles deveriam ter feito para melhorar a qualidade de vida da nossa população, dentre eles a questão de abastecimento de água.

Na Saúde, Educação, Cultura, Recreação, Esporte e Lazer: as candidaturas que disputam os votos de nós eleitores que sofremos diariamente a ausência de politicas publicas voltadas para satisfazer essas nossas necessidades, até agora todas tem se limitados a publicar apenas diagnósticos de uma realidade perversa que nós conhecemos muito melhor que eles, afinal somos nós que sofremos na pele o que eles apenas sabem através de suas assessoria e parecem que esquecem que eles são os principais responsáveis pela total ausência desses serviços que segundo a constituição brasileira a nós deveriam ser garantidos.

Na questão de geração de emprego e renda, abastecimento, meio ambiente, espaço territorial urbano... Da mesma forma, até agora nada disseram como vão garantir a titulação das terras onde está erguida a maioria das residências em Manaus, como farão o tratamento de efluentes que a cada dia deixa está cidade mais fétida uma vez que os esgotos estão todos direcionados para os igarapés e rios que cortam nossa cidade, não apresentam nenhuma alternativa de emprego para além do Distrito Industrial, como a próxima gestão será responsável para preparar a cidade para a Copa 2014, eles estão apresentando propostas mirabolantes para convencer os camelôs a saírem das ruas da cidade, na minha modesta visão, nenhuma será implementada ganhe quem ganhar, pois a permanência dessa atividade nas ruas de Manaus vai depender do poder de mobilização dos camelôs para enfrentar a truculência do Estado que vai tentar retira-los a força principalmente do Centro da cidade para no período que antecede a Copa do Mundo.

Manaus ao longo da história tem sofrido muitas humilhações por ser governada por grupos de políticos corruptos que promovem inúmeros saques as riquezas da cidade, mas nossa população encontrou uma forma de protestar quase imperceptível, é o silencio no período eleitoral, não somos indiferentes, porém o eleitorado tem se mostrado um rebelde, que manifesta essa rebeldia de forma pacífica e avessa a dominações dos que acham que dominam seus votos.

Para os eleitores de Manaus, pouco importa quem é a figura publica que vai aparecer no horário eleitoral pedindo voto para essa ou aquela candidatura, o que mais conta é a sua própria vontade e rebeldia, ou seja, a sua timidez é sempre um forma de dizer aos governantes que eles preferem um contraponto que lhes garanta melhorias do que uma unanimidade que os escravize e que ignora as suas demandas. Isso é uma demonstração de que ainda corre em nossas veias o sangue do nosso grande guerreiro Ajuricaba.

Manaus será sempre essa cidade, cuja população sabe ser hospitaleira, mas que também, não confunde hospitalidade com submissão, nosso povo é firme, lucido, digno, solidário, capaz, formidáveis, mas sabe agir com altivez para dizer não as tentativas de dominação ou servidão, somo caboclos com orgulho, rebeldes por opção e pávulos com muito prazer!  
      

0 comentários:

Postar um comentário