terça-feira, 2 de outubro de 2012

A cidade que queremos: #norteconectado

0 comentários

Ademir Ramos (*)

Tenho a alegria de participar de uma rede que vem discutindo a cultura como matriz de desenvolvendo, repensando a política, seus atores e, principalmente, as instituições formadoras, seus produtores culturais, numa perspectiva visionária dos intelectuais estruturantes. A discussão ganha corpo e a rede balança, mobilizando força em direção à construção de novas práticas culturais, problematizando as políticas governamentais que ignoram e desrespeitam o protagonismo dos agentes e produtores culturais desqualificando suas práticas conectivas e criativas.

O Coletivo Difusão e o Movimento Cultural Fora do Eixo representado por Caio Mota, Keila Serruya, Elisa Maia, André oliveira, Allan Gomes, Michelle Andrews e todo corpo que forma este coletivo vivo a pulsar alegria, beleza, criatividade como expressão das organizações comunitárias assentadas nos valores republicanos fincados na justiça distributiva e na ética da responsabilidade, quebrando com os modelos instituídos e por vezes pasteurizados, não respondendo e muito menos compreendendo a cultura e suas relações produtivas.

Vivendo desse modo, o mundo torna-se a sua aldeia, exigindo que os formuladores de políticas públicas de Estado, empresariais e das comunas socialmente organizadas mostrem suas competência e habilidades regrados pela reciprocidade e responsabilidade mútua assegurada e reconhecida por todos (as) que participam da vida sustentável do planeta.

A cidade que queremos é o tema gerador dos debates nas redes, provocando os internautas e os protagonistasnet a participarem do mutirão das ideias, propostas e práticas culturais que removam os entulhos burocráticos dos bacharéis das academias formadoras de arrogantes intelectuais e profissionais paroquiais que perderam a capacidade de admirar, espantar-se, de problematizar o mundo e de fazer autocrítica relativo à legitimidade do conhecimento e das formas de saber.

Nesse ócio improdutivo, os bacharéis e os burocratas de Estado, encontram-se ossificados, batendo sola, reproduzindo os mesmos erros do passado por ignorar a história e as suas determinações.

#norteconectado é o chamamento que os agentes e produtores culturais da Amazônia fazem aos prefeituráveis e aos demais candidatos para participarem das discussões e dos debates relativos às políticas públicas quanto à construção das cidades que queremos. Para esse fim é necessário pautar os debates e mobilizar força para ampliar nas redes a discussão e o aferimento das propostas quanto à sua viabilidade, eficácia e mútua responsabilidade dos agentes públicos e das lideranças comunitárias, a começar pela conectividade em rede planejamentodifusao@gmail.com tendo por referência o articulista Caio Mota para agregar força e quem sabe construir espaços que possam abrigar homens, mulheres, crianças e jovens em estreita relação comunal com a natureza e a sociedade em processo criativo inovador. Façamos acontecer afirmando a cidadanianet, é o muito que se espera para a consecução da cidade que queremos.  

(*) É professor, antropólogo e coordenador do NCPAM/UFAM    

0 comentários:

Postar um comentário