quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Os punhos fechados de Dirceu e Genoíno

1 comentários
Preso por corrupção não é preso politico. É corrupto mesmo!
por Juazeiro*

No dia 15/11 dois ex-militantes de esquerda e socialistas voltaram à prisão. Zé Dirceu e Zé Genoíno ao serem conduzidos à cadeia, ergueram os punhos fechados, símbolo de resistência da esquerda, aquilo que eles já foram um dia.

Honestamente, não entendi o porquê da alusão à esquerda num momento desses. Se Dirceu e Genoíno estão atrás das grades hoje, uma das razões foi, justamente, o afastamento progressivo daquilo que eles já defenderam um dia.

Para nós da esquerda o punho erguido e fechado simboliza a resistência, a firmeza e a combatividade. Resistência aos opressores, a resistência daqueles que se recusam a aceitar o mundo do jeito que está e lutam por dias melhores. Firmeza nos princípios e ideais que defendemos; de que apenas a superação desse sistema será capaz de acabar com a barbárie e toda a desigualdade do mundo. Combatividade contra aqueles que se locupletam com todo o horror que temos hoje, identificando nossos inimigos de classe e os combatendo, jamais nos aliando ou servindo de qualquer maneira a eles.

A mais emblemática cena de punhos fechados que sintetiza tudo isto acima ocorreu nas olimpíadas de 1968, quando os atletas negros Tommie Smith e John Carlos, que ganharam as medalhas de ouro e bronze (respectivamente) nos 200 metros rasos e, durante a execução do hino estadunidense, ergueram os punhos fechados, que era a saudação do Partido dos Panteras Negras, partido este que lutava contra a política segragacionista que existia nos EUA naquele período. Após o marcante gesto, ambos foram expulsos da delegação dos EUA, bem como das olimpíadas.

A primeira vez que Dirceu e Genoíno foram presos foi durante a ditadura, nos anos 60/70. Naquela época eles tanto fizeram, como também se identificavam com toda a simbologia do punho cerrado descrita acima. Dirceu foi preso no congresso da UNE em Ibiúna, quando tentava organizar a resistência à ditadura dentre os estudantes, sendo libertado em troca do embaixador estadunidense 2 anos depois. Foi pra Cuba, fez treinamentos onde se aperfeiçoou na guerrilha urbana e voltou ao Brasil na clandestinidade. Genoíno foi preso e barbaramente torturado, quando tentava construir a guerrilha que resistiria à ditadura pelo campo, a famosa Guerrilha do Araguaia. Amargou todos os horrores dos porões da ditadura que, como admitiu o mesmo, até hoje lhe trouxeram consequências de ordem psíquicas e de saúde.

Aquelas prisões apenas atestam o quanto o passado dos mesmos era de lutas. O quanto eles foram importantes para a história do Brasil, da resistência da esquerda àquele regime nefasto. Ocorre que, passado de lutas não é salvo conduto para ninguém justificar seus erros e desvios no presente.

Mais estarrecedor do que vê-los preso hoje, foi a militância socialista e revolucionária observar a profunda mudança ideológica de ambos e ver no que eles se transformaram.

Os mandatos de Dirceu e Genoíno a frente do PT foram marcados pela consolidação daquele partido à ordem e a sua domesticação ao sistema. Dirceu perseguiu com mão de ferro a antiga esquerda do PT, esmagou os adversários internos, deu início à implementação de um programa que abriu o arco de alianças aos partidos da ordem de direita (alguns deles, inclusive, oriundos da ditadura militar que prendeu Dirceu, torturou Genoíno e matou inúmeros companheiros de ambos), composição governamental e governabilidade por dentro das estruturas, o que excluiu o povo e acabou por desaguar no mensalão.

O mandato de Genoíno à frente do PT, quando este partido já demonstrava que o caminho traçado por Dirceu era sem volta, além de consolidar aquele projeto, foi responsável também pela expulsão dos radicais Babá, Luciana Genro e Heloísa Helena. Prova cabal que não havia mais espaço para um pensamento divergente ao do campo majoritário, e que aqueles que não seguissem sua cartilha acabariam por ter o mesmo fim. Stalinismo à moda antiga!

Portanto, após isso tudo, ver Dirceu e Genoíno levantarem os punhos cerrados é de causar indignação e estranheza a todos aqueles que se mantiveram coerentes com os seus princípios. Aparenta mais ser uma jogada de marketing pitoresca, com o objetivo de se vitimarem para tentarem iludir o que ainda resta de militância petista de esquerda. Atualmente não há nenhuma autoridade para que ambos se utilizem de um símbolo de resistência da esquerda.

Enquanto o governo que Dirceu e Genoíno apoiam estava preocupado em retirar direitos da classe trabalhadora, com aquela reforma da previdência comprada pelo mensalão, os trabalhadores cerraram os punhos e foram às ruas lutar contra ela. Enquanto o governo que Dirceu e Genoíno apoiam estava preocupado em implementar uma reforma universitária que enfraquecia as universidades públicas e precarizava ainda mais o ensino, a pesquisa e a extensão, os estudantes também cerraram os punhos e foram às ruas lutar pelo ensino público, gratuito e de qualidade. Enquanto o governo que Dirceu e Genoíno apoiam estava preocupado em enfraquecer os sindicatos com a horripilante proposta de reforma sindical, a classe trabalhadora cerrou os punhos e foi às ruas lutar. Enquanto o governo que Dirceu e Genoíno apoiam estava preocupado em favorecer os interesses especulativos de gente como Eike Batista, e começou o processo de privatização do nosso petróleo com os leilões das bacias petrolíferas, o povo cerrou os punhos e foi às ruas exigir o fim desse crime contra a nossa soberania e lutar para que o petróleo voltasse a ser nosso.

Diante de todos esses ataques, onde estavam e a quem serviam Dirceu e Genoíno? Seus punhos estavam fechados em solidariedade àqueles que lutavam e ainda lutam? Definitivamente, não!

É muito mais revoltante vermos as prisões dos black blocs, dos estudantes, dos trabalhadores, dos sem-terra, dos índios e dos líderes quilombolas (estes últimos, quando não morrem pela ação truculenta da polícia, com a omissão do judiciário e com a leniência do governo que Dirceu e Genoíno apoiam, haja vista que tal governo não se empenha em demarcar as terras indígenas e quilombolas, como também não implementou a reforma agrária) quando sabemos que eles estão lutando contra tudo aquilo que Dirceu e Genoíno vêm apoiando nós últimos anos.

Não vamos entrar no oba-oba na mídia corrupta, que é capaz de elogiar o governo que Dirceu e Genoíno apoiam no momento que lhes é oportuno, e dizer que eles estão sendo presos porque são corruptos. O papel daqueles que levantam as mãos e cerram os punhos honestamente, todos os dias, é dizer que a corrupção é inerente a opção de governo que ambos tiveram.

Pouco importa o julgamento da justiça burguesa. O que temos certeza em relação a Dirceu e Genoíno é que a história não os absolveu.

*Juazeiro é Advogado e militante do PSOL 

1 comentários:

Karen Lemos disse...

Muito bom seu texto.. concordo com cada palavra! parabéns!

Postar um comentário