sábado, 19 de março de 2011

Há 140 anos: Comuna de Paris

0 comentários

Fundação Lauro Campos

Num sábado, há 140 anos, em 18 de março de 1871, a insurreição em Paris provoca uma onda revolucionária cujo choque político e social vai atravessar a história da humanidade.

Sobre as ruinas ainda fumegantes de um monarquismo revanchista e dos últimos clarões do império, num país extenuado pelo cerco prussiano e humilhado pela derrota de Sedan e pelo armistício, era tempo de lutar pela construção de uma nova sociedade.

Na madrugada desse sábado, dez regimentos se põem em movimento e vão, como testemunha um cartaz apressadamente colocado, desalojar «homens mal intencionados... que se fizeram mestres de Paris... por ordem de um comitê oculto». Essa tentativa do governo de retomar os canhões que a garda nacional parisiense detinha – que poderia haver sido um incidente qualquer como muitos outros – desencadeia no povo parisiense uma revolta cujo processo será sem paralelo na história da França.

Durante 72 dias, os "communards", mulheres e homens, cidadãos parisienses, vão realizar a obra de edificação de uma democracia popular e participativa, o aprofundamento de uma democracia de massas. Imbuídos do espírito de justiça para todos, os "communards", não obstante a pressão ameaçadora de Versalhes, inventaram uma cidadania que repousa longe das fronteiras da imaginação dos republicanos de então, chegando a escrever os primeiros elementos de um Código Trabalhista e, bem antes da célebre lei de 1905, a realizar a separação entra a Igreja Católica, força política reacionária, e o Estado, o qual, para eles, só podia ser laico, totalmente laïco...

Ciosa de sua autonomia, assentada em sua intransigente cidadania e visionária, a Comuna inventa um mundo muito vasto para seu perímetro, mas desenvolve uma audácia que as gerações futuras não se cansarão de exaltar, ao passo que seu esmagamento pelas tropas de Thiers, em seguida ao banho de sangue conhecido como a Semana Sangrenta, só fará reforçar a sua legitimidade e o seu mito. Apesar da sua derrota, a Comuna de Paris, por seu exemplo, plantou um ideal que deixou o seu rastro indelével na história e que exerce um verdadeiro fascínio em todos os revolucionários do século XX, e que, de uma maneira ou de outra, influencia hoje a esperança de dar continuidade à sua obra.

Para todos os que sonham com a instauração de uma autêntica república popular, democrática e participativa, a Comuna permanece como uma fonte de inspiração inesgotável.

Cronologia da Comuna de Paris

-19 de setembro de 1870: início do cerco de Paris pelos prussianos.

-22 de janeiro de 1871: manifestação insurreicional na praça do Hôtel-de-Ville. Os soldados atiram e fazem uma trintena de mortos entre os manifestantes.

-29 de janeiro: Paris capitula, o armistício é proclamado.

-19 de fevereiro: formação do governo Thiers.

-18 de março: Thiers ordena o sequestro dos canhões da guarda nacional, entretanto inofensivos. A tropa se recusa a abrir fogo sobre os parisienses e aponta para o ar. Os parisienses dos bairros do leste e do centro se sublevam. Execução dos generais Lecomte e Thomas por seus soldados. Thiers sai de Paris para Versailles.

-19 de março: o comitê central da guarda nacional convoca eleições.

- De 23 a 26 de março: proclamação das Comunas de Marseille, Lyon, Narbonne, Saint-Étienne, Toulouse, Creusot.

- 28 de março: proclamação da Comuna de Paris.

- 29 de março: suspensão da venda dos objetos depositados na casa de penhores. Abolição do alistamento militar e do exército profissional.

- 2 de abril: separação da Igreja e do Estado, o orçamento dos cultos é suprimido.

- 14 de abril: interdição das detenções arbitrárias. Bombardeio pelas tropas de Versailles das tropas da Comuna estacionadas em Asnières.

- 16 de abril: a Comuna faz o censo das oficinas abandonadas e favorece a criação de cooperativas operárias.

- 19 de abril: «Declaração ao povo francês», na qual a Comuna expõe seu programa.

- 23 de abril: Thiers organiza o bloqueio do abastecimento de Paris.

- 16 de maio: demolição da coluna Vendôme.

- 18 de maio: a Comuna decreta que toda detenção deve ser objeto de um processo verbal.

- 21 de maio: em seguida a uma traição, as tropas de Versailles entram em Paris pela porta de Saint-Cloud. Início da Semana Sangrenta.

- 29 de maio: o forte de Vincennes capitula. Fim da Comuna de Paris. Começam os processos, as execuções sumárias e as deportações de prisoneiros políticos "communards".


0 comentários:

Postar um comentário